Consumo de energia elétrica retoma níveis pré-pandemia, avalia ONS

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 25 de setembro de 2020 as 15:17, por: CdB

A instituição estimou que a carga de energia do sistema interligado do país deve alcançar 69.537 megawatts médios no próximo mês, com avanço de 0,1% na comparação ano a ano, influenciada por significativa expansão de 7,2% na região Norte.

Por Redação – de Brasília

O consumo de eletricidade no Brasil tende a retomar, em outubro, níveis muito próximos aos registrados no mesmo mês do ano passado, em recuperação para patamares vistos antes da pandemia de coronavírus, projetou nesta sexta-feira o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

A Light, distribuidora de energia para a Cidade do Rio de Janeiro, há mais de um século, fatura alto para grupos estrangeiros
O consumo de energia elétrica tem voltado ao patamar de outubro do ano passado, quando o mundo ainda não vivia o drama da covid-19

A instituição estimou que a carga de energia do sistema interligado do país deve alcançar 69.537 megawatts médios no próximo mês, com avanço de 0,1% na comparação ano a ano, influenciada por significativa expansão de 7,2% na região Norte.

O Sul também teria alta, de 0,2%, enquanto o Sudeste, principal centro de consumo, veria uma retração de 0,6% em comparação com agosto passado. O pior desempenho é esperado no Nordeste, com recuo de 1,4% frente ao mesmo mês de 2019, segundo boletim do ONS.

Demanda

As perspectivas do ONS para outubro são menos positivas do que as apresentadas neste mês– até sexta-feira passada, o ONS previa um aumento de 3,4% na carga do sistema interligado em setembro ante mesmo mês do ano anterior.

Segundo números prévios da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a demanda neste mês apresentava alta de 2,5% em comparação anual até o final da primeira quinzena.

Ainda assim, as projeções seguem apontando recuperação da carga para níveis pré-pandemia, após forte deterioração da demanda vista a partir dos meses iniciais de impacto da Covid-19 no país.

Em abril, primeiro mês inteiramente sob efeitos de quarentenas adotadas por governos estaduais e prefeituras para conter a disseminação do vírus, a carga de energia do Brasil chegou a desabar 12% na comparação anual, enquanto em maio a queda foi de 10%.

Regime de chuvas

O ONS também projetou que chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração do Brasil, deverão ter um outubro significativamente abaixo da média de longo prazo para o período.

No Sudeste, que concentra os maiores reservatórios, as precipitações estão estimadas em 68% da média, enquanto no Nordeste, o segundo em volume de represas, elas chegariam a 58% da média. No Sul, que enfrentou longa seca recente, a previsão é de chuvas em 61% da média em outubro.

Com isso, o nível de armazenamento nas hidrelétricas do Sudeste deve encerrar outubro em cerca de 28%, contra 34,7% atualmente, enquanto no Nordeste o volume nos reservatórios deve cair para 49,8%, de 67,8% atuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *