Contágio da covid-19 não garante aos jovens imunidade para reinfecção

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado sexta-feira, 16 de abril de 2021 as 10:51, por: CdB

O contágio do novo coronavírus oferece alguma proteção à população jovem, mas não garante completa imunidade contra uma reinfeção, segundo estudo publicado na revista científica The Lancet Respiratory Medicine.

Por Redação, com ABr e Sputnik – de Nova York/Moscou

O contágio do novo coronavírus oferece alguma proteção à população jovem, mas não garante completa imunidade contra uma reinfeção, segundo estudo publicado na quinta-feira na revista científica The Lancet Respiratory Medicine.

O contágio do novo coronavírus oferece alguma proteção à população jovem, mas não garante completa imunidade contra uma reinfeção

A pesquisa, com base em dados de mais de 3 mil elementos saudáveis dos Marines norte-americanos, a maioria homens entre 18 e os 20 anos, concluiu que, ainda que se desenvolvam anticorpos após a recuperação da covid-19, é conveniente receber a vacina de modo a estimular a resposta imunitária e evitar reinfeções.

Para o estudo, desenvolvido entre maio e novembro de 2020, os recrutas fizeram uma quarentena de quatro semanas antes de regressar aos treinos, realizaram testes para detectar anticorpos e contágios e preencheram um questionário sobre sintomas de covid-19, entre outros dados médicos.

De acordo com a pesquisa, de tipo ‘observacional’, 19 jovens, (10%) de 189 que já tinham superado a covid-19, ficaram novamente infectados, enquanto no grupo dos que não tinham contraído o vírus, com 2.247 recrutas, contagiaram-se posteriormente 1.079, quase metade.

Os autores da pesquisa constataram que os jovens que nunca tinham estado infectadas com o novo coronavírus tinham cinco vezes mais risco de se contagiarem, do que aqueles que já tinham contraído a doença, ainda que os últimos não fossem completamente imunes.

Os jovens reinfectados

Os pesquisadores mostram que os jovens reinfectados tinham menos anticorpos do que aqueles que não voltaram a contrair o vírus, e a sua carga viral era dez vezes mais baixa do que a dos recrutas que tinham ficado infectados pela primeira vez.

Segundo eles, isso significa que algumas pessoas reinfectadas podem transmitir o vírus, ainda que seja uma conclusão que, advertem, requer mais investigação para ser confirmada.

“À medida que as campanhas de vacinação vão ganhando impulso, é importante lembrar que, apesar de uma infecção prévia por covid-19, os jovens podem contrair o vírus novamente e transmiti-lo a outras pessoas”, afirma, em nota um dos autores do estudo, Stuart Sealfon, da Escola de Medicina Icah, de Monte Sinai, nos Estados Unidos.

Desenvolvedores da Sputnik V

Os desenvolvedores da vacina russa Sputnik V pediram aos reguladores de saúde em todo o mundo que examinem cuidadosamente um estudo da Universidade de Oxford sobre a correlação entre eventos raros de coagulação sanguínea e diferentes tipos de imunizantes contra a covid-19.

O estudo da Universidade de Oxford, pela primeira vez, levanta a questão dos riscos de coagulação do sangue em vacinas fabricadas nos EUA com base em uma plataforma de mRNA, uma tecnologia nova e não testada anteriormente. O estudo, baseado em dados de mais de 35 milhões de pessoas, foi publicado na quinta-feira.

A Universidade de Oxford publicou um estudo importante com base em mais de 489 mil receptores de vacina de mRNA que mostra que o risco de trombose da veia porta parece ser 30 vezes maior com vacinas de mRNA (Pfizer e Moderna) do que com a da AstraZeneca.

Os desenvolvedores da Sputnik V destacam que o risco de um indivíduo desenvolver trombose venosa cerebral, principal razão pela qual muitos reguladores recomendam a suspensão do uso de vacinas produzidas pela AstraZeneca e pela Johnson & Johnson “parece ser muito semelhante” ao se comparar os casos da vacina da AstraZeneca (cinco em um milhão) com os das vacinas de mRNA da Pfizer e Moderna (quatro em um milhão).

Em meio a uma controvérsia sobre eventos raros de coagulação do sangue durante o uso da vacina, os reguladores dos EUA recomendaram nesta semana a pausa no uso do imunizante contra o novo coronavírus da Johnson & Johnson, enquanto investigam esses casos.

Anteriormente, o regulador de medicamentos da Europa, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), disse ter encontrado uma possível ligação entre a vacina da AstraZeneca e casos raros de coágulos sanguíneos em alguns adultos que receberam a injeção. Os anúncios levaram vários países a atrasar ou suspender o uso das vacinas Johnson & Johnson e AstraZeneca. Ambas as vacinas usam plataformas baseadas em vetores adenovirais.

No início de 2021, dados roubados dos servidores da EMA durante um ataque cibernético e divulgados na web mostraram que a Pfizer, fabricante de vacina de mRNA, enfrentou sérios problemas durante a troca entre a produção em laboratório e em escala real para o mercado de massa.

Esses dados revelaram que a integridade do RNA das amostras de produção em grande escala diminuiu drasticamente, resultando em uma diminuição na segurança. Além disso, a baixa integridade combinada com a alta dosagem significa que o paciente recebe mais RNA truncado, o que não criaria imunidade contra a covid-19 e causaria um estresse prejudicial extra na imunidade humana.