Copa 2018: Reino Unido pode rever presença se Rússia for culpada por caso de ex-agente

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 6 de março de 2018 as 13:34, por: CdB

Em seu pronunciamento, Johnson afirmou: “Pensando na Copa do Mundo… acho que seria muito difícil imaginar que a representação do Reino Unido nesse evento possa prosseguir da maneira normal”

Por Redação, com Reuters – de Londres:

O Reino Unido pode rever a participação de representantes oficiais na Copa do Mundo da Rússia se ficar provado que Moscou está por trás da intoxicação misteriosa de um ex-agente duplo russo na Inglaterra, disse uma fonte do governo britânico nesta terça-feira.

O Reino Unido pode rever a participação de representantes oficiais na Copa do Mundo da Rússia

Segundo a fonte, o secretário de Relações Exteriores britânico, Boris Johnson; não teve a intenção de sugerir que a seleção da Inglaterra pode desistir de disputar o torneio; que acontecerá em junho e julho deste ano, durante fala mais cedo ao Parlamento.

Em seu pronunciamento, Johnson afirmou: “Pensando na Copa do Mundo… acho que seria muito difícil imaginar que a representação do Reino Unido nesse evento possa prosseguir da maneira normal”.

Torcida organizada

A torcida organizada do Almirante Brown atacou a casa do presidente do clube a tiros após uma derrota no final de semana que deixou o time na lanterna da terceira divisão do futebol argentino; informou a justiça local na segunda-feira.

Os torcedores violentos dispararam contra a entrada da casa do presidente Antonio Argento e um automóvel da família; além de incendiar outro veículo estacionado no lugar, no domingo.

– Devido ao mau momento que a equipe vive, estamos acostumados às ameaças através das redes sociais; às piadas e a que peçam nossa renúncia. Mas esta violência é inaceitável – afirmou Argento à agência inglesa notícias Reuters.

O ataque ocorreu depois que o Almirante Brown, cuja torcida está dividida em quatro facções, perdeu de 2 a 1 do San Miguel.

O presidente do clube fez uma denúncia à polícia, e a justiça está investigando o fato; mas os agressores ainda não foram identificados.

– Não é a primeira vez que agridem o presidente. Ele vem recebendo ameaças e em outra ocasião quebraram as janelas de sua casa; mas ele não fez uma denúncia – explicou o procurador a cargo da causa, Sergio Antín.

Replay por vídeo

Os replays por vídeo para ajudar os árbitros de futebol em decisões difíceis devem ser usados na Copa do Mundo da Rússia neste ano, depois de o sistema ter sido aprovado no sábado pelo International Football Association Board (Ifab).

A Fifa, entidade que administra o futebol no mundo, afirmou; que o sistema de vídeo seria usado na Copa deste ano se fosse aprovado pelo Ifab; órgão que define as regras do esporte. Mas a Uefa afirmou que não vai utilizá-lo na próxima Liga dos Campeões.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse que a decisão final sobre o uso na Copa do Mundo será tomada em uma reunião do Conselho da Fifa em Bogotá, neste mês.

– Hoje, o sistema VAR é parte do futebol – disse o presidente a repórteres. “Chegamos à conclusão de que o VAR é bom para o futebol e para os árbitros; pois traz mais imparcialidade ao jogo. Por essa razão, decidimos aprová-lo.”

VAR

De acordo com os protocolos do Ifab, o VAR só pode ser usado em quatro casos: pênaltis, gols; cartões vermelhos diretos e confirmação de jogador.

Um árbitro treinado, com acesso a um monitor e com constante comunicação com o principal delegado da partida, checa todas as decisões.

Se um erro“claro e óbvio” é identificado, o incidente pode ser mudado. O árbitro tem acesso a um monitor ao lado do campo e pode iniciar a revisão ele mesmo.