Coreia do Norte reconstrói parte de instalação de mísseis

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 6 de março de 2019 as 10:44, por: CdB

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse na segunda-feira que tem esperança de que seu país envie uma delegação à Coreia do Norte nas próximas semanas.

Por Redação, com Reuters – de Seul

A Coreia do Norte restaurou parte de uma instalação de teste de mísseis que começou a desmontar depois de prometer fazer isso em uma primeira cúpula com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no ano passado, e o conselheiro de Segurança Nacional de Trump alertou que novas sanções podem ser adotadas se Pyongyang não encerrar seu programa nuclear.

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, na estação de Dong Dang no Vietnã

Na terça-feira, a agência de notícias sul-coreana Yonhap e dois centros de estudos dos EUA relataram obras em andamento na Estação de Lançamento de Satélites Sohae de Tongchang-ri, apesar de Trump ter se encontrado com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, para uma segunda cúpula na semana passada em Hanói.

A segunda reunião fracassou devido às diferenças sobre o quão longe Pyongyang está disposta a ir para limitar seu programa nuclear e até que ponto os EUA estão inclinados a amenizar as sanções que impôs ao país.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse na segunda-feira que tem esperança de que seu país envie uma delegação à Coreia do Norte nas próximas semanas, mas os comentários de Bolton e o desenvolvimento aparente da instalação de teste de Sohae podem criar novos desafios para os diplomatas que esperam retomar as negociações após a cúpula fracassada.

Imagens de satélite vistas pelo 38 North, um projeto sobre a Coreia do Norte sediado em Washington, mostraram que as estruturas da plataforma de lançamento de Sohae foram reconstruídas em algum momento entre 16 de fevereiro e 2 de março, disse Jenny Town, editora-gerente do projeto e analista do Centro Stimson, uma entidade de pesquisa, à Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *