A covardia ativa e Fux

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 21 de janeiro de 2019 as 09:11, por: CdB

Diferente ainda dos covardes que engrossam a multidão que espanca um marginal, que põe fogo em um acusado, que chuta cachorro morto, que mete socos, pontapés e barras de ferro em um homem dominado, não, disso ele é incapaz.

Por Urariano Mota – de São Paulo

O ministro Luiz Fux do STF, ao suspender a investigação das iregularidades de Flávio Bolsonaro, ampliou e muito o sentido que os dicionários dão à palavra covardia. Notem que pelo Aulete o covarde é o tímido, o acanhado, o medroso, o pusilâmine, o fraco de ânimo, vale dizer, o fraco de vontade ante um desafio. Ou seja, pelo Aulete, em sua definição museológica, Fux não foi covarde. Pelo contrário, foi desinibido, cheio de ânimo e vontade a favor de Bolsonaro. Como seria covarde pelo Aulete?

O ministro Luiz Fux do STF, ao suspender a investigação das iregularidades de Flávio Bolsonaro, ampliou e muito o sentido que os dicionários dão à palavra covardia

Pelo Houaiss, tampouco. Aqui, mais uma vez, Fux (Fiat Lux?) mostrou atitude, ousadia, e não usou de violência contra o mais fraco motorista, que na verdade é representante legal do filho do Chefão na presidência. Então, como ser covarde pelo Houaiss, que o definiria como até corajoso? Para sua atitude, faltam novas definições.

A esta altura, temos que pôr um sentido social e político para a palavra Covardia, que os dicionários poderão registrar depois da mais recente decisão de Luiz Fux. Diferente daquelas pessoas omissas que viravam o rosto, fingiam nada saber ou conhecer dos fornos crematórios sob o regime nazista, e faziam de conta que nem sentiam o fedor de carne queimada na vizinhança, Fux é um homem transformado sob os Bolsonaros.

Dele não se dirá que se ocultou sob o anonimato, que fingiu não ver. Pelo contrário, ele viu, soube, sabe, conhece e proclama que mudou o também o sentido de foro privilegiado. Para um simples privilegiado das circunstâncias deste Brasil, ele não vira o rosto, ele o mostra à lux das câmeras, como se gritasse o feito heróico. Parece dizer, “aqui, ninguém é mais novo covarde que eu”.

Diferente ainda dos covardes que engrossam a multidão que espanca um marginal, que põe fogo em um acusado, que chuta cachorro morto, que mete socos, pontapés e barras de ferro em um homem dominado, não, disso ele é incapaz. Seria indecoroso da sua parte, até porque a qualidade dos seus ternos obriga a uma outra falta de coragem.

Ele é ministro do STF, ele se põe e se pôs no centro do noticiário ao decidir contra a apuração de manifesta “ilicitude”, um eufemismo para corrupção. A sua decisão define um novo tipo e palavra. Assim como no Brasil de hoje temos a ignorância mais desavergonhada, que não mais se oculta sob pudor e inferioridade diante da cultura e da ciência, que esbraveja e zurra que a terra é plana, que a mudança de clima é invenção de marxistas, ou que a teoria de Darwin é uma hipótese sem provas, assim também Luiz Fux inaugura uma nova definição para covardia.

Ele está pleno, supremo da Covardia Ativa. Ele é o novo covarde. Parodiando Orlando Silva, quando ao ser chamado de poliglota, depois de apresentações na Argentina, respondeu: “Sim, poliglota, mas dos ativos”, podemos dizer que Fux marcou para sempre o Princípio da Covardia Ativa: aquela que sem pudor se mostra aos olhos de todo o mundo. Imune à vergonha, orgulhosa de si.

Que tempos, que novos dicionários.

Urariano Mota, é jornalista do Recife. Autor dos romances “Soledad no Recife”, O filho renegado de Deus e A mais longa duração da juventude.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *