Covid-19: campanha é lançada para valorizar profissionais de saúde

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quarta-feira, 12 de agosto de 2020 as 14:01, por: CdB

Em meio ao aumento de casos de profissionais de serviços essenciais afetados pelo novo coronavírus, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha lançou a campanha Valorize o Essencial. A proposta é combater o estigma e fomentar o respeito e o apoio aos que estão na linha de frente no combate à pandemia.

Por Redação, com ABr – de Brasília

Em meio ao aumento de casos de profissionais de serviços essenciais afetados pelo novo coronavírus, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha lançou a campanha Valorize o Essencial. A proposta é combater o estigma e fomentar o respeito e o apoio aos que estão na linha de frente no combate à pandemia.

Cruz Vermelha quer fomentar respeito a quem está na linha da frente
Cruz Vermelha quer fomentar respeito a quem está na linha da frente

A instituição ressaltou que, desde o registro das primeiras infecções, os profissionais estão expostos a alto risco de contaminação. Dados do Ministério da Saúde mostram que 23,3 mil profissionais de saúde foram diagnosticados com o novo coronavírus. Desses, 196 morreram oficialmente por covid-19, sendo que mais óbitos estão sendo investigados.

“Mas o número pode ser ainda maior. Segundo o Conselho Federal de Enfermagem, o total de casos confirmados entre profissionais da categoria é de 32.279 e o número de óbitos chega a 334 apenas entre profissionais de enfermagem”, alertou a Cruz Vermelha.

Vertentes

A campanha tem duas vertentes. A primeira é dirigida aos profissionais e gestores de serviços essenciais, em especial em contextos afetados pela violência e traz dicas práticas de autocuidado e gestão do estresse. A segunda é voltada à população em geral e busca fomentar a empatia para com esses profissionais, promovendo o apoio às equipes por meio de histórias e depoimentos.

Mais informações podem ser acessadas no site oficial da campanha.

Respiradores recuperados

Um balanço divulgado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) na terça-feira aponta que, desde o início da pandemia do novo coronavírus no país, 2.007 ventiladores pulmonares foram consertados gratuitamente por 700 voluntários e devolvidos a instituições de saúde em 336 municípios de 24 estados e no Distrito Federal. A estimativa é de que cada equipamento possa salvar até 10 vidas. Segundo o Senai, os estados de São Paulo (683), Bahia (245) e Minas Gerais (240) foram os que mais receberam aparelhos.

Os ventiladores, importantes no tratamento de doentes graves da covid-19, estavam sem uso e foram restaurados graças à união de 28 instituições e empresas. Desde 30 de março foram recebidos 3.989 respiradores de todos os estados, desse total 951 estão em manutenção e 173 passam por calibração, última etapa antes da devolução ao serviço de saúde. A maioria dos equipamentos restaurados precisava de novas peças para voltar a operar.

– A iniciativa de consertar esse equipamento hospitalar fundamental para salvar as vidas de quem tem as formas mais graves da doença contribui de forma expressiva para o árduo trabalho que está sendo realizado pelos profissionais da saúde e para reduzir a necessidade de importação do equipamento – avalia o presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade.

A parceria conta com unidades do Senai, grandes empresas, ministérios e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial e da Associação Brasileira de Engenharia Clínica . Além do Senai, investiram mais de R$ 4 milhões em aquisição de peças para viabilizar o reparo dos equipamentos a Petrobras, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, a Votorantim e a aliança Todos pela Saúde, entre outros doadores.

– Estamos vivendo um ponto de inflexão na história da humanidade e vamos extrair muitas lições.  O Senai se sente muito honrado da parceria construída nesta iniciativa, exemplo de ação cidadã que mobiliza indivíduos, empresas e organizações em prol do bem comum, da afirmação de um projeto de país que nasce no valor à vida – afirma o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi.

Produção nacional

O  Senai também tem uma iniciativa para ampliar a oferta do número de ventiladores pulmonares produzidos nacionalmente A ação apoia sete empresas que já possuem a capacidade de fabricar mais de 5 mil respiradores por mês. As indústrias Delta Life e GreyLogix, em parceria com Institutos Senai de Inovação, já obtiveram a certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A previsão é que ambas produzam de 700 a 1,1 mil equipamentos mensais, que chegarão ao mercado a preços inferiores aos praticados atualmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *