Covid-19 chega aos confins da Terra ao atingir a Antártica

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 23 de dezembro de 2020 as 13:05, por: CdB

O novo coronavírus chegou à Antártica, único continente até recentemente livre da covid-19, disseram nesta semana militares chilenos. Autoridades de saúde e do Exército correram para retirar e colocar em quarentena a equipe de uma estação de pesquisa remota cercada pelo oceano e icebergs.  

Por Redação, com Reuters – de Santiago

O novo coronavírus chegou à Antártica, único continente até recentemente livre da covid-19, disseram nesta semana militares chilenos. Autoridades de saúde e do Exército correram para retirar e colocar em quarentena a equipe de uma estação de pesquisa remota cercada pelo oceano e icebergs.

Militares relatam 36 casos de infecção em estação de pesquisa chilena
Militares relatam 36 casos de infecção em estação de pesquisa chilena

As Forças Armadas chilenas disseram que ao menos 36 pessoas foram infectadas na Base Bernardo O’Higgins, sendo 26 funcionários e 10 prestadores de serviço civis que realizavam manutenção no local.

A estação de pesquisa de ocupação permanente, que é operada pelo Exército do Chile, fica perto da ponta de uma península do extremo norte da Antártica com vista para uma baía repleta de icebergs.

O pessoal da base “já está devidamente isolado e monitorado constantemente” pelas autoridades de saúde de Magalhães, na Patagônia chilena, informou o Exército, acrescentando que até agora não houve complicações.

Estações militares e de pesquisa da Antártica

Estações militares e de pesquisa da Antártica, que estão entre as mais remotas do mundo, fizeram grandes esforços nos últimos meses para manter o vírus a distância, cancelando o turismo, reduzindo atividades e equipes, e interditando instalações.

Pesquisadores da Agência Antártica Britânica estimam que cerca de mil pessoas de 38 estações espalhadas pelo continente gelado atravessaram o inverno do Hemisfério Sul sem incidentes – mas um aumento de viagens de e para a região na primavera e no início do verão intensificaram o risco de infecções.