Covid-19 ainda não está contido na Alemanha, diz instituto

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 14 de abril de 2020 as 11:38, por: CdB

A quantidade de infecções confirmadas de coronavírus no país aumentou 2.082 e chegou a 125.098, mostraram dados do Instituto Robert Koch divulgados mais cedo nesta terça-feira, apontando o quarto declínio diário no número de casos novos.

Por Redação, com Reuters – de Berlim

Um número mais baixo de casos novos de coronavírus na Alemanha nos últimos dias provavelmente se deve à diminuição dos exames durante a Páscoa, e o surto ainda não está contido, disse o chefe do instituto de saúde Robert Koch nesta terça-feira.

Exortando os alemães a esperarem e manter a disciplina das medidas de distanciamento social
Exortando os alemães a esperarem e manter a disciplina das medidas de distanciamento social

A quantidade de infecções confirmadas de coronavírus no país aumentou 2.082 e chegou a 125.098, mostraram dados do Instituto Robert Koch divulgados mais cedo nesta terça-feira, apontando o quarto declínio diário no número de casos novos.

As mortes relatadas aumentaram em 170 e somam 2.969. A taxa de mortalidade é muito menor do que a de outros países bastante afetados, mas as autoridades alemãs continuam receosas de suspender as restrições à vida pública.

– Ainda não podemos falar em contenção, ainda temos números altos todos os dias. Estamos vendo uma desaceleração – disse o presidente do Instituto Robert Koch, Lothar Wieler, em uma coletiva de imprensa de rotina.

Transmissão do vírus

Exortando os alemães a esperarem e manter a disciplina das medidas de distanciamento social, ele estimou que a reprodução ou taxa de transmissão do vírus, apelidada de “R”, na Alemanha é de cerca de 1,2, o que significa que uma pessoa com o vírus infecta em média 1,2 mais

– Realmente é de nosso interesse que esta taxa R fique abaixo de 1, ou em 1. Este é um fator importante – acrescentou Wieler.

Em recomendações enviadas à chanceler, Angela Merkel, e a governadores na segunda-feira, acadêmicos sugeriram que a vida pública pode voltar ao normal gradualmente sob certas condições, entre elas a estabilização do índice de infecções em um patamar baixo.