Credit Suisse espionou o Greenpeace, afirma relatório sobre investigação

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado domingo, 2 de fevereiro de 2020 as 14:32, por: CdB

O então presidente-executivo Pierre-Oliver Bouee ordenou que seu chefe de segurança se infiltrasse no grupo de proteção ambiental depois que o Greenpeace interrompeu uma reunião anual de acionistas da instituição financeira em 2017.

 

Por Redação – de Berna

 

O Credit Suisse, que enfrenta escândalo relacionado à espionagem de altos executivos, também conduziu ações de espionagem contra o Greenpeace, publicou o jornal suíço SonntagsZeitung, com base em um relatório da investigação, ao qual teve acesso.

O Credit Suisse está às voltas com um rumoroso caso de espionagem internacional
O Credit Suisse está às voltas com um rumoroso caso de espionagem internacional

O então presidente-executivo Pierre-Oliver Bouee ordenou que seu chefe de segurança se infiltrasse no grupo de proteção ambiental depois que o Greenpeace interrompeu uma reunião anual de acionistas da instituição financeira em 2017, publicou o jornal.

Greenpeace

O Credit Suisse, que é criticado pelo Greenpeace por investir em combustíveis fósseis, teve acesso a emails que indicam que o banco teve informações sobre manifestações que o grupo planejava fazer contra ele, segundo o jornal.

Um porta-voz do Credit Suisse não comentou o assunto. O Greenpeace não se manifestou.

Bouee foi demitido em dezembro por causa da vigilância montada sobre ex-membros do conselho de administração Iqbal Khan e Peter Goerke. O órgão supervisor do mercado suíço, FINMA, está investigando o caso.