Crescente Vermelho diz que voluntários ficaram feridos na violência em Gaza

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 24 de maio de 2018 as 13:18, por: CdB

O responsável também visitou os voluntários feridos e, depois disso, renovou o seu pedido para que todos aqueles que participam de enfrentamentos respeitem e protejam os trabalhadores humanitários

Por Redação, com EFE – de Gaza:

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) informou nesta quinta-feira que seis voluntários socorristas ficaram feridos durante a violência gerada em torno da chamada Marcha do Retorno na Faixa de Gaza, durante a qual dezenas de palestinos morreram por disparos de soldados israelenses.

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) informou nesta quinta-feira que seis voluntários socorristas ficaram feridos

O presidente da FICV, Francesco Rocca, encerrou nesta quinta-feira uma visita de dois dias ao território palestino; onde dialogou com vários voluntários que auxiliaram as vítimas e visitou centros temporários de atendimento de emergência.

Em comunicado, a entidade humanitária detalhou que os socorristas prestaram atendimento a 6 mil feridos durante a violência.

Segundo dados das Nações Unidas, 76 palestinos – entre eles 11 crianças; morreram no último mês por ações das forças israelenses; principalmente durante as manifestações na fronteira com a Faixa de Gaza, que está bloqueada há 11 anos por Israel.

– Vim aqui expressar minha admiração e solidariedade aos nossos colegas do Crescente Vermelho da Palestina. Sua dedicação e coragem nos inspiram – disse Rocca no comunicado.

Os voluntários

O responsável também visitou os voluntários feridos e; depois disso, renovou o seu pedido para que todos aqueles que participam de enfrentamentos respeitem e protejam os trabalhadores humanitários.

Sobre a situação que viu em Gaza, Rocca disse que “as necessidades humanitárias são enormes. O sistema de saúde está prestes a entrar em colapso; qualquer sistema de saúde estaria com problemas com essa quantidade enorme de feridos”.

O presidente da FICV explicou que essas necessidades não se referem apenas aos tratamentos médicos de emergência; mas também de longo prazo e de reabilitação para as vítimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *