Crescimento nas vendas do comércio varejista ainda não cobre perdas

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 9 de novembro de 2022 as 14:45, por: CdB

No chamado comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas cresceu 1,5% no mês e 1% sobre setembro do ano passado. Mas cai tanto no ano (-0,6%) como em 12 meses (-1,6%).

Por Redação – do Rio de Janeiro

As vendas no comércio varejista cresceram 1,1% de agosto para setembro, segundo o IBGE, mas em ritmo insuficiente para cobrir perdas passadas. Em relação a igual mês de 2021, a alta foi de 3,2%. No ano, somam apenas 0,8% e, em 12 meses, caem 0,7%.

Os consumidores estão cada vez mais deprimidos, diante da crise econômica mais prolongada em uma década
Os consumidores estão cada vez mais deprimidos, diante da crise econômica mais prolongada em mais de uma década

No chamado comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas cresceu 1,5% no mês e 1% sobre setembro do ano passado. Mas cai tanto no ano (-0,6%) como em 12 meses (-1,6%).

Em setembro, cresceram as vendas de combustíveis e lubrificantes (1,3%) e no setor que inclui hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,2%). Houve leve queda em móveis e eletrodomésticos e veículos e motos, partes e peças, ambos com -0,1%.

Acumulado

Na comparação com 2021, cinco atividades tiveram alta, com destaque para combustíveis e lubrificantes: 34,8%, o maior da série, beneficiado pelas recentes quedas de preço.

Entre os segmentos em queda, estão tecidos, vestuário e calçados (-9,5%) e móveis e eletrodomésticos (-5,9%). No ampliado, veículos e motos, partes e peças (-1,2%) e material de construção (-7,9%).

No acumulado em 12 meses, até setembro, as vendas de combustíveis crescem 7,6%, enquanto as de hiper e supermercados ficam praticamente estáveis (0,1%). Em móveis e eletrodomésticos, queda de 13%. No setor de material de construção, a retração é de 8,4%. Em veículos e peças, de 1,2%.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *