Criança é baleada na comunidade da Linha em São Gonçalo

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018 as 11:50, por: CdB

Há dois dias, duas crianças morreram vítimas de tiro no Rio de Janeiro. A menina Emily Sofia Neves, de 3 anos, foi atingida durante uma tentativa de assalto

Por Redação, com ABr -do Rio de Janeiro:

Um menino de 4 anos foi baleado na noite anterior, na comunidade da Linha, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro. A criança estava com o pai na rua, quando foi atingida. O menino foi socorrido e levado ao Hospital Estadual Alberto Torres, no mesmo município.

Um menino de 4 anos foi baleado na noite anterior, na comunidade da Linha, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio

A Polícia Militar negou que tivesse feito uma operação policial naquela comunidade na hora em que o menino foi atingido.

Há dois dias, duas crianças morreram vítimas de tiro no Rio de Janeiro. A menina Emily Sofia Neves, de 3 anos, foi atingida durante uma tentativa de assalto na madrugada de terça-feira em Anchieta, na Zona Norte da cidade.

Já o menino Jeremias Moraes da Silva, de 13 anos, foi morto durante uma operação policial no conjunto de favelas da Maré, também na Zona Norte da cidade.

Guerra do tráfico em Angra dos Reis

O prefeito de Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro, Fernando Jordão; está em Brasília para solicitar reforço no combate à criminalidade no município. Na quarta-feira; o município completa 13 dias de intensos tiroteios entre facções de traficantes e a polícia em Angra dos Reis; com a morte de nove pessoas. Jordão já conversou com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (MDB-RJ), e teve reuniões; com assessores da presidência da República e no Ministério das Cidades. Como resultado, anunciou que vai dobrar o número de policiais militares contratados pelo Programa de Integração na Segurança (Proeis).

A prefeitura informou que já paga dezenas de policiais militares por meio do Proeis, que reforçou a segurança em todo o município, inclusive na Ilha Grande. Mas, segundo a prefeitura, o batalhão da PM deveria ter 1 mil policiais para atender somente ao município de Angra, mas tem pouco mais de 400 homens para cobrir Angra, Paraty, Rio Claro e Mangaratiba.

O dirigente municipal manifestou ao governador Luiz Fernando Pezão, na semana passada; sua indignação contra a desorganização na segurança pública em Angra dos Reis e exigiu mudanças imediatas no modo de combate à criminalidade na região.

Em nota, Jordão já tinha externado sua indignação com a situação em Angra. “O Estado não pode ficar inerte por maior que sejam suas dificuldades. Angra precisa ter a presença das forças nacionais; pois a segurança do cidadão do interior é tão importante como a do morador da Zona Sul do Rio de Janeiro”.

A prefeitura cedeu uma área próxima ao fórum do município para; que a Polícia Militar instale mais uma unidade da corporação na cidade, com um novo efetivo, aumentando o número de policiais. A prefeitura vai comprar 20 veículos novos e doar a PM de Angra dos Reis para aumentar o policiamento ostensivo e repressivo na cidade.

Guerra de facções

Nove pessoas suspeitas de envolvimento com o tráfico de drogas na região; morreram em confronto com as tropas de elite da Polícia Militar na semana passada. A guerra ocorre entre as facções criminosas Terceiro Comando Puro (TCP) e Comando Vermelho (CV).

A PM apreendeu dois fuzis, seis pistolas, munição e drogas nas comunidades do Parque Belém, Sapinhatuba, Frade e Areal, onde os tiroteios são mais intensos. A grande dificuldade encontrada pelas tropas da PM é que os criminosos se escondem na parte alta das comunidades; que é cercada por área de Mata Atlântica.

Na segunda-feira à tarde, motoristas que passavam pela Rodovia Rio-Santos; perto do bairro Sapinhatuba; enfrentaram arrastões durante confronto entre quadrilhas de facções rivais. Motoristas chegaram a voltar com os carros em marcha à ré; com medo dos tiros. A polícia foi acionada e trocou tiros com os criminosos, que conseguiram fugir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *