Cristiano Ronaldo é multado em 3,2 milhões de euros em caso de evasão fiscal

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 27 de julho de 2018 as 14:00, por: CdB

Cristiano Ronaldo não irá para a prisão porque a lei espanhola determina que sentenças de menos de dois anos de prisão para réus primários podem ser cumpridas em liberdade condicional

Por Redação, com Reuters – de Madri:

Cristiano Ronaldo será multado em 3,2 milhões de euros e condenado a 24 meses de prisão —pena que não precisará cumprir, após fechar um acordo com autoridades tributárias espanholas devido a um caso de evasão fiscal, anunciaram procuradores nesta sexta-feira.

Atacante português Cristiano Ronaldo

O jogador de 33 anos é acusado neste caso de sonegar 5,7 milhões de euros em impostos. Ele nega as acusações.

Cristiano Ronaldo não irá para a prisão porque a lei espanhola determina que sentenças de menos de dois anos de prisão para réus primários podem ser cumpridas em liberdade condicional.

O jogador português terá de pagar multa de 3,2 milhões de euros, além dos 5,7 milhões em impostos atrasados e mais 1 milhão de euros de juros e 250 euros por cada dia dos 48 meses do período da pena de prisão.

Essas quantias representam apenas parte do valor total a ser pago por Cristiano Ronaldo, e a quantia total somando outros casos de evasão deve chegar a 19 milhões de euros.

Erros em caso Ozil

O chefe da Federação de Futebol da Alemanha (DFB), Reinhard Grindel, disse nesta quinta-feira que deveria ter deixado mais claro que o racismo é inaceitável depois que o meio-campista Mesut Ozil saiu da seleção por ter enfrentado “racismo e desrespeito” devido às suas raízes turcas.

Ozil, que joga no time inglês Arsenal, foi amplamente criticado depois de ser fotografado ao lado do presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, em maio.

Ele e Ilkay Gundogan, colega de equipe de ascendência turca que também posou com Erdogan, foram vaiados por torcedores alemães em jogos de preparação para a Copa do Mundo da Rússia.

Grindel rejeitou as acusações de racismo de Ozil contra a DFB, mas disse lamentar que a foto tenha sido mal utilizada para justificar “palavras racistas”, sem entrar em detalhes.

– Em retrospecto, como presidente eu deveria ter dito claramente o que é óbvio para mim, pessoalmente, e para nós como associação, a saber, que qualquer forma de racismo é insuportável, inaceitável e intolerável – afirmou ele em um comunicado.

A decisão do jogador de 29 anos de deixar a seleção provocou um debate público na Alemanha a respeito de suas relações com sua maior comunidade imigrante, já que Ozil foi um integrante essencial da seleção alemã campeã do mundo em 2014 e foi eleito Jogador do Ano cinco vezes por meio de uma votação popular, um recorde.

Alguns políticos e o líder da comunidade turca na Alemanha pediram a renúncia de Grindel, mas outros disseram que as alegações de racismo de Ozil foram infundadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *