Cruzeiro negocia com Edílson

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 1 de abril de 2003 as 23:13, por: CdB

O Cruzeiro já negocia para contar com o atacante Edílson, que defendeu o clube no primeiro semestre de 2002 e está em litígio com o Kashiwa Reysol, do Japão. O presidente da Raposa, Alvimar de Oliveira Costa, fez uma proposta salarial ao Capetinha, mas sua saída pode representar a saída de Jussiê.

O jogador estava emprestado ao clube japonês até dezembro de 2004, mas ficou apenas seis meses e, após um desentendimento, resolveu voltar para o Brasil. Como não houve rescisão de contrato, as partes abriram negociação para que o atacante posso retornar à Toca da Raposa.

O Cruzeiro tem interesse em repatriá-lo, desde que ele aceite uma redução salarial, mas o Capetinha quer receber o mesmo que ganhava no ano passado. O Kashiwa Reysol está disposto a liberar o atacante, mas Raposa terá de lhe emprestar Jussiê, revelado nas categorias de base do clube celeste.

“O Edílson se mostrou receptivo, mas como bom negociante quer receber o mesmo que recebia no ano passado. Propus uma redução, porque a realidade do futebol hoje é outra”, explicou Alvimar Perrella, como é conhecido o dirigente. Ele conversou duas vezes com o atacante.

Quando Edílson acertou a sua transferência para o Japão, logo após a conquista do pentacampeonato mundial, o Cruzeiro renovou seu contrato até dezembro de 2004. No entanto, o clube mineiro não aceita pagar o mesmo salário ao jogador. “O que está pegando é que não queremos pagar a mesma quantia do ano passado”, disse o presidente da Raposa.

O Kashiwa Reysol pagou, na época, US$ 1 milhão, que foram divididos em partes iguais para Cruzeiro e Flamengo. Mas Edílson cumpriu somente seis meses do contrato de dois anos. O Capetinha está preso ao Rubro-Negro até 2005. Se quiser ficar em definitivo com o jogador, a Raposa terá de pagar US$ 2,5 milhões.

A contratação de Jussiê foi pedida pelo técnico Marco Aurélio, que também trocou o Cruzeiro pelo Kashiwa no ano passado. O treinador conhece muito bem o atacante, que ele mesmo lançou no Brasileiro de 2001. Alvimar Perrella deixou claro que não haverá problema em liberá-lo.

“Creio que, como o Jussiê é jovem mas não tem tido muita chance, uma saída por oito meses, sem o passe fixado, seria uma boa”, observou o dirigente, referindo-se ao empréstimo até o final deste ano do atacante de 19 anos ao clube japonês.