Cruzeiro x Fla: O Mineirão vai tremer

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 10 de junho de 2003 as 23:38, por: CdB

O gol de Fernando Baiano, nos acréscimos do primeiro jogo da final da Copa do Brasil, domingo passado, foi o ingrediente necessário para aquecer definitivamente o clima para o confronto decisivo entre Cruzeiro e Flamengo, nesta quarta-feira, às 21h40, no Mineirão. O empate rubronegro deixou o time carioca vivo na competição, além de ter acirrado os ânimos entre os treinadores Wanderley Luxemburgo e Nelsinho Baptista.

O resultado da primeira partida coloca as duas equipes a uma vitória do título, presságio de bom jogo, com oportunidades de gol de lado a lado. O empate sem gols é favorável ao Cruzeiro, e novo 1 x 1 leva a decisão para os pênaltis. Igualdade em mais de dois gols dá o título ao Flamengo. Em jogo, não apenas o prestígio do título da Copa do Brasil, mas a indicação do primeiro representante brasileiro na Libertadores de 2004.

Para o Cruzeiro, o título significaria a coroação de uma bela campanha no primeiro semestre, que já acumula o título invicto do Campeonato Mineiro e a liderança do Campeonato Brasileiro. Já o Flamengo se apóia na final da Copa do Brasil para garantir no restante da temporada estabilidade à equipe, que faz fraca campanha no Campeonato Brasileiro, onde ocupa a 19ª colocação.

Embora em graus diferentes, Cruzeiro e Flamengo têm sua tradição na Copa do Brasil. O Rubro-Negro ficou com o título da competição em 1990, depois de bater o Goiás na final. Sete anos depois, em 97, decidiu novamente a competição, desta vez contra o Grêmio, mas acabou com o vice-campeonato.

O Cruzeiro começou sua trajetória de sucesso na Copa do Brasil mais tarde. Em 1993 ganhou o título, batendo o Grêmio na final, façanha que seria repetida em 96, contra Palmeiras, e 2000, contra o São Paulo. O clube ainda foi vice de 98, perdendo para o Verdão e busca igualar o recorde de quatro títulos da competição, que pertence ao Tricolor gaúcho.

Apesar de estarem pela primeira vez se enfrentando em final da campeonato, Cruzeiro e Flamengo têm uma história longa e equilibrada de confrontos. O primeiro jogo foi um empate de 3 x 3 em 23 de setembro de 1923, em Belo Horizonte, em amistoso da inauguração oficial do estádio do clube mineiro, fundado apenas dois anos antes, com o nome de Palestra Itália.

Perto de completarem 80 anos daquele primeiro confronto, o equilíbrio é a características dos encontros entre as duas equipes. Em 56 jogos disputados, o Cruzeiro venceu 18, o Flamengo saiu vitorioso em 19 oportunidades e aconteceram 19 empates. Os mineiros marcaram 73 gols e os cariocas 75.

A exemplo do que aconteceu no domingo, quando a torcida coloriu o Maracanã, o Mineirão também estará enfeitado, nesta quarta-feira. Só que o rubro-negro será substituído pelo azul e branco. O barulho também deverá ser grande. Saem as 30 mil cornetas do Mengão, e entram os 50 mil apitos cruzeirenses. A torcida carioca estará representada em Belo Horizonte, assim como os celestes estiveram no Rio.

Luxa tem se dividido entre armar seu time e convocar a torcida da Raposa para apoiar a equipe. Nelsinho Baptista, por sua vez, teve a preocupação de reagir aos protestos do treinador rival sobre os erros de arbitragem de Carlos Eugênio Simon, na primeira partida. Ele disse que Luxemburgo tem o hábito de tentar ganhar jogos no grito, mas garantiu que dessa vez a história seria diferente.

Desfalques e opções

Wanderley Luxemburgo chega à decisão com 19 jogadores para escalar titulares e compor banco de reservas, sendo que três deles estão voltando de períodos de inatividade provocados por lesões: os zagueiros Luisão e Irineu e o meia Sandro. Contusões, suspensões e mudanças no elenco durante a competição fizeram com o que treinador tivesse que lançar mão de jovens como os volantes Márcio e Jardel e do meia Sandro durante a campanha da Copa do Brasil.

“Estou na conta do chá, do café, do leite”, brincou Luxemburgo, que perdeu os titulares da zaga Edu Dracena e Thiago, suspensos, e lançará pela primeira vez entre os profiss