Cuba encontra nova solução contra o câncer

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 9 de abril de 2003 as 09:19, por: CdB

A aplicação do Fator de Estimulador de Colônias Granulocíticas (GSF), produzido em Cuba, no Centro Imunológico (CIM), tem possibilitado a melhoria dos pacientes com câncer. Trata-se de uma molécula de crescimento que regula a formação dos glóbulos brancos. Essa molécula apresenta um valor terapêutico significativo em pacientes com diminuição dos glóbulos brancos, assim como os que se submetem à quimioterapia e/ou transplante de medula óssea e aqueles com doenças relacionadas com anemia aplástica, neuropenia cíclica ou agranulocitocis congênita.

O G-CSF é empregado em tumores sólidos ou do sistema sanguíneo, para evitar a imuno depressão no organismo, ocasionada pela perda de glóbulos brancos, depois da aplicação da quimioterapia e da radioterapia. É mais efetivo nas leucemias, pois os sólidos matam os tecidos e sempre restam zonas nas quais o medicamento não consegue penetrar.

Com o seu uso é possível um manejo adequado da toxidade relacionada com as altas doses de drogas subministradas a esses pacientes, aliviando dores e reduzindo o intervalo entre ciclos de quimioterapia.

Está demonstrada a sua eficácia no tratamento de pacientes infectados com o vírus HIV e nas doenças não cancerígenas, como infecções causadas por fungos e em transplantes de fígado. Os que sofrem de câncer de mama com metástase, sensíveis à quimioterapia, incrementaram o nível de resposta completa e parcial até uns 73-100% e, entre 1 e 18%, permanecem livres de progressão da doença até 5 anos posteriores ao tratamento.

A idéia de produzi-lo na Ilha surgiu em 1998, quando jovens cientistas começam as investigações, a fim de dispor de uma ferramenta que permitisse empregar métodos tradicionais de radiações e citostáticos mais agressivos aos tumores, com o objetivo de destruí-los.

Em fevereiro de 2002, o medicamento nacional é registrado e, a partir de então, é aplicado em mais de 600 adultos que sofrem dessa doença.

Os principais resultados alcançados com o G-CSF são o aumento da qualidade de vida dos pacientes que, unido a outras terapias como anticorpos mononucleares e vacinas terapêuticas, fazem com que o país disponha de um dos tratamentos mais completos para cuidar de tumores malignos.

Atualmente os cientistas do Centro Imunológico Molecular se dedicam à caracterização e produção desse produto para produzi-lo em grande escala.

O grupo de trabalho que desenvolve o projeto está integrado pelos licenciados José A. Gómez, Katia Rashida e Einard Blanco, que formaram a equipe ainda quando cursavam o quarto ano de suas carreiras.

O G-CSF é exportado para Venezuela e Colômbia, mas existem acordos com a Índia, para produzi-lo na Ásia, juntamente com outros produtos cubanos. Também foi apresentado em vários eventos científicos nacionais, e sua patente está solicitada no Chile, Argentina, China, Venezuela, Brasil, Uruguai, República Dominicana, Rússia, Malásia, México e Peru.