Declarações de Mourão explodem nova crise no comitê neofascista

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 28 de setembro de 2018 as 15:43, por: CdB

Nas primeiras conversas com pessoas próximas sobre esse episódio Bolsonaro voltou a defender que Mourão evite participações em eventos públicos. Na semana passada, o candidato a vice já tinha sido orientado a suspender sua agenda após dar outras declarações polêmicas.

 

Por Redação – de São Paulo

Candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro mostrou-se irritado com as declarações do companheiro de chapa, general da reserva Hamilton Mourão, que criticou o pagamento do 13º terceiro salário e de adicional de férias. Assim que foi informado do pronunciamento, o capitão Bolsonaro, ainda que na reserva, usou o Twitter para desautorizar o colega de farda. Na mensagem, Bolsonaro sugeriu que Mourão não conhece as regras constitucionais.

General Mourão, que defende a ditadura e a tortura de prisioneiros políticos, é atual porta-voz de Bolsonaro, que segue internado na UTI
General Mourão, que defende a ditadura e a tortura de prisioneiros políticos, foi vetado como porta-voz de Bolsonaro, que segue internado

“O 13º salário do trabalhador está previsto no art. 7º da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (Não passível de ser suprimido sequer por Proposta de Emenda à Constituição)”, escreveu. “Criticá-lo, além de ser ofensa a quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”, acrescentou.

‘Jabuticabas’

Nas primeiras conversas com pessoas próximas sobre esse episódio Bolsonaro voltou a defender que Mourão evite participações em eventos públicos. Na semana passada, o candidato a vice já tinha sido orientado a suspender sua agenda após dar outras declarações polêmicas.

Mais cedo, em palestra na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, Mourão afirmou que o 13º salário e o pagamento de adicional de férias são “jabuticabas”, ou seja, só ocorrem no Brasil. “Temos umas jabuticabas que a gente sabe que são uma mochila nas costas de todo empresário”, disse.

“Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Como a gente arrecada 12 (meses) e pagamos 13? O Brasil é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais”, completou. “São coisas nossas, a legislação que está aí. A visão dita social com o chapéu dos outros e não do governo”, reforçou o vice de Bolsonaro.

Vetado

Com as recentes declarações polêmicas, o general perde o apoio entre os militares. Alguns chegaram a pedir a renúncia dele da vaga de vice para evitar mais prejuízos à candidatura do seu candidato, segundo disseram fontes na campanha do candidato neofascista.

De acordo com a legislação, a troca somente poderia ser feita até 20 dias antes do pleito, prazo já vencido. Embora haja pelo menos um precedente favorável, o risco de o TSE derrubar a chapa toda seria alto demais.