Defensoria pede que Duque de Caxias explique alteração em obra de Niemeyer

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 29 de setembro de 2021 as 12:43, por: CdB

O local é usado como abrigo pela população em situação de rua e, por isso, a obra do muro é caracterizada como arquitetura higienista ou hostil, segundo a defensora que assinou o ofício, Flávia Mac Cord Bhering. A Defensoria quer saber se houve autorização específica para a obra e se ocorreu licenciamento.

Por Redação, com Brasil de Fato – do Rio de Janeiro

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro enviou na noite de segunda-feira um ofício para que a prefeitura de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, esclareça as razões para o muro construído na semana passada sob a rampa do Teatro Raul Cortez, em Vila Meriti, e que descaracterizou a obra do arquiteto modernista Oscar Niemeyer.

Prefeitura afirma que obra foi autorizada pelo escritório de Oscar Niemeyer, mas sobrinho de arquiteto nega a informação

O local é usado como abrigo pela população em situação de rua e, por isso, a obra do muro é caracterizada como arquitetura higienista ou hostil, segundo a defensora que assinou o ofício, Flávia Mac Cord Bhering. A Defensoria quer saber se houve autorização específica para a obra e se ocorreu licenciamento.

Na hipótese de não ter sido autorizada, a Defensoria recomenda que o muro seja imediatamente demolido, bem como sejam removidas pedras e paralelepípedos existentes no local que possam caracterizar arquitetura higienista.

– Como se sabe a população em situação de rua não possui moradia convencional ou regular, sendo obrigada a usar os espaços públicos e áreas urbanas como locais de moradia e sustento de forma temporária ou permanente. A própria política nacional e municipal da população em situação de rua tem como um de seus principais objetivos a democratização do acesso dos espaços – disse a defensora.

Movimentos sociais

A Ouvidoria Externa da Defensoria recebeu fotos e vídeos de movimentos sociais denunciando a construção. São chamadas de arquitetura hostil ou higienista as estratégias de design urbano que utilizam elementos para restringir certos comportamentos nos espaços públicos e dificultar o acesso e a presença de pessoas, especialmente aquelas em situação de rua.

Em nota enviada à imprensa, o presidente do Instituto Niemeyer, Paulo Sérgio Niemeyer, condenou a intervenção da prefeitura de Duque de Caxias na obra que ele assina junto com o bisavô, o arquiteto Oscar Niemeyer, e diz que não houve autorização.

1 thought on “Defensoria pede que Duque de Caxias explique alteração em obra de Niemeyer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code