Delegado Waldir segue como líder do PSL na Câmara

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 17 de outubro de 2019 as 15:19, por: CdB

As assinaturas apresentadas pelo grupo dissidente, que buscavam colocar como líder da sigla o deputado Eduardo Bolsonaro (SP), não alcançaram o número suficiente para tirar Waldir do posto.

Por Redação, com Reuters – de Brasília

O deputado federal Delegado Waldir (GO) segue como líder do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, na Câmara dos Deputados, informou nesta quinta-feira a Secretaria-Geral da Casa, após um grupo de parlamentares da legenda tentar destituí-lo do posto.

Delegado Waldir acusou o presidente de chamar deputados no Planalto e de ligar para outros tentando convencê-los das vantagens de ter Eduardo como líder
Delegado Waldir acusou o presidente de chamar deputados no Planalto e de ligar para outros tentando convencê-los das vantagens de ter Eduardo como líder

De acordo com o órgão, as assinaturas apresentadas pelo grupo dissidente, próximo a Bolsonaro, na tentativa de colocar como líder da sigla o deputado Eduardo Bolsonaro (SP), filho do presidente da República, não alcançaram o número suficiente para tirar Waldir do posto.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse, nesta quinta-feira, que cabe à Secretaria-Geral da Mesa da Casa decidir quem é o líder do PSL, após alas opostas do partido apresentarem listas com assinaturas de parlamentares para a definição da liderança.

A primeira das listas, apresentada pelo grupo de Eduardo e do líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (GO), continha 27 nomes, número mínimo exigido para se destituir o líder, mas apenas 26 das assinaturas conferiam, informou a Secretaria-Geral.

A segunda lista, apresentada por Waldir e aliados, trouxe 31 nomes, e 29 deles conferiam com as assinaturas que constam na SGM. Mais cedo, em coletiva, Waldir afirmou ter conseguido 32 assinaturas. Houve ainda uma terceira lista, apresentada novamente pelos aliados de Eduardo Bolsonaro, com 27 assinaturas, das quais 24 conferiam.

Pelas regras, a liderança pode ser alterada se for angariado apoio equivalente ao primeiro número inteiro depois da metade dos membros da bancada. No caso do PSL, que tem 53 integrantes, são exigidas ao menos 27 assinaturas válidas para destituir o líder.

A disputa pela liderança do PSL na Câmara ocorre em meio a uma guerra aberta na legenda entre Jair Bolsonaro e o presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE).

A crise teve início a partir de denúncias sobre irregularidades em campanhas do PSL, mas escalou na semana passada a um outro patamar quando Bolsonaro sugeriu a um simpatizante que esquecesse a sigla. Também afirmou ao presidente da legenda estava “queimado”.

Na quarta-feira, Waldir acusou Bolsonaro de chamar deputados no Planalto e de ligar para outros parlamentares tentando convencê-los das vantagens de ter Eduardo como líder.

– O presidente da República está ligando para cada parlamentar e cobrando o voto no filho do presidente – disse Waldir a jornalistas.

– Ele age pessoalmente ao chamar vários parlamentares e ligar pessoalmente para vários deputados com essa pressão psicológica dessa questão de cargos e outras situações – acrescentou.

Joice Hasselmann

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) deixou a liderança do governo no Congresso Nacional e será substituída pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO), disse o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), nesta quinta-feira, à Reuters.

A mudança —ainda não confirmada oficialmente pelo Palácio do Planalto nem comunicada à Secretaria-Geral da Mesa do Congresso— ocorre após Joice ter se envolvido em uma polêmica disputa sobre a liderança do PSL na Câmara.

A deputada assinou tanto uma lista para manter o deputado Delegado Waldir (GO) como líder do partido como outra para derrubá-lo e substituí-lo por Eduardo Bolsonaro (SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Waldir é ligado ao presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE), que está em uma disputa interna na sigla com o próprio Bolsonaro e aliados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *