Denúncia do FT repercute mal no Congresso e entre os investidores

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 4 de dezembro de 2019 as 15:33, por: CdB

Desde as primeiras horas da manhã, parlamentares de variadas matizes políticas não pouparam o ministro da Economia, Paulo Guedes. A deputada Jandira Feghali, líder da Minoria na Câmara, publicou mensagem em rede social sobre a matéria do FT, considerado um dos marcos do capitalismo internacional e alinhamento aos interesses dos investidores internacionais.

 

Por Redação – de Brasília

 

A desconfiança internacional quanto à seriedade dos dados econômicos divulgados pelas autoridades financeiras do Brasil, levantada por uma extensa reportagem do diário financeiro britânico Financial Times (FT), na véspera, repercutiram no Parlamento brasileiro, nesta quarta-feira. Sob o título “Falha nos dados econômicos brasileiros desperta preocupações entre analistas”, o FT aponta que “‘pessoas ganharam ou perderam dinheiro’ como resultado da confusão sobre o verdadeiro estado das exportações”.

Guedes conversou com Rodrigo Maia, na tentativa de colocar panos quentes na crise com Bolsonaro
A política econômica do governo, chefiada por Paulo Guedes, tem gerado um número cada vez maior de desempregados e números dissonantes

Desde as primeiras horas da manhã, parlamentares de variadas matizes políticas não pouparam o ministro da Economia, Paulo Guedes. A deputada Jandira Feghali, líder da Minoria na Câmara, publicou mensagem em rede social sobre a matéria do FT, considerado um dos marcos do capitalismo internacional e alinhamento aos interesses dos investidores internacionais.

“Sinal de fumaça que vem do Financial Times! Se Bolsonaro maquiou dados econômicos sobre exportações vai levar o Brasil para o isolamento no mundo, prejudicando diretamente a população brasileira. Gravíssimo e mostra que Paulo Guedes entende mais de AI-5 do que de economia”, afirma.

A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), por sua vez, seguiu na mesma linha.

“Sabemos que transparência e verdade nunca importaram para esse governo”, afirmou. “Ainda assim, a suspeita levantada pelo jornal Financial Times de que informações sobre a atividade econômica brasileira foram manipuladas é algo surpreendente e muito grave. O que Paulo Guedes tenta esconder?”, questionou.

Investidores

Segundo a deputada Erika Koaky (PT-DF), a reportagem demonstra que o Brasil passa “vergonha internacional”. “Jornal inglês Financial Times questiona dados apresentados pelo governo Bolsonaro sobre crescimento de 0,6% do PIB no último trimestre. O jornal questiona estatísticas econômicas e aponta falhas nos números apresentados, entre outras dúvidas de analistas”, destacou.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) ressaltou que é “questionada a própria qualidade do governo, a competência mínima de saber coligir dados”.

De acordo com o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), “se confirmada a desconfiança do Financial Times, sobre maquiagem nos números da economia brasileira, estaremos diante de fato gravíssimo, com potencial para ferir de morte a confiabilidade do governo”. “Bolsonaro terá elevado a fake news à condição de política econômica”.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) questionou: “Este era o governo q iria ‘recuperar’ confiança dos investidores estrangeiros?”.

Desconfiança

A reportagem do jornalista Jonathan Wheatley afirma que a segunda revisão dos números pelo Ministério da Economia, em menos de uma semana, “lança dúvidas sobre a divulgação de dados-chave e deixa analistas se perguntando se ainda devem confiar na segurança das estatísticas brasileiras”.

O jornal ouve do economista-chefe para América Latina do ING Financial Markets, de Nova York, que “os dados do PIB, embora melhores que o esperado, levantaram dúvidas entre alguns analistas devido a um número extraordinariamente grande de estoques de empresas, um indicador negativo para a atividade econômica”.

Para o FT, as duas revisões “e a possibilidade de mais por vir levantaram dúvidas pela primeira vez sobre os dados brasileiros, há muito vistos como um exemplo de pontualidade e transparência entre os países emergentes”.

O editor do FT para a região, Michael Stott, resume o assunto, no Twitter, com a pergunta:

“Podemos confiar nos dados da maior economia da América Latina?”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *