Deputada adianta em 24 horas operação da PF contra governador do Rio

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 26 de maio de 2020 as 15:03, por: CdB

Na entrevista, na segunda-feira, Zambelli afirmou que desde a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça já aconteceram algumas operações da PF que estariam na “agulha para sair, mas não saíam”.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

Um dia antes da operação da Polícia Federal nesta terça-feira que atingiu o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das parlamentares hoje mais próximas do presidente Jair Bolsonaro, disse em entrevista à Rádio Gaúcha que governadores seriam alvo de investigações da PF.

Claudia Zambelli foi amplamente criticada por ter matriculado seu filho no Colégio Militar sem processo seletivo
A deputada Claudia Zambelli (PSL-SP) vazou informações a uma rádio, sobre a operação da PF no Rio de Janeiro

Laranjeiras

Na entrevista, na segunda-feira, Zambelli afirmou que desde a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça já aconteceram algumas operações da PF que estariam na “agulha para sair, mas não saíam”.

— A gente deve ter nos próximos meses o que a gente vai chamar, talvez, de ‘Covidão’ ou de…, não sei qual vai ser o nome que eles vão dar, mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal — disse Zambelli.

Nesta terça, a PF deflagrou a Operação Placebo, que investiga superfaturamento na compra de respiradores no Rio de Janeiro, e fez buscas nos Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador Wilson Witzel, no Palácio da Guanabara, sede do governo estadual, e na residência pessoal de Witzel.

Cidadã

Em entrevista à rede norte-americana de TV CNN Brasil, Zambelli afirmou que não estava antecipando uma operação mas que há informações de superfaturamento em vários Estados e que isso obviamente seria levado à Polícia Federal.

— Não preciso de nenhuma informação privilegiada para saber disso. Tem informações públicas sobre a compra desses equipamentos — disse, sem responder sobre o porquê de dizer que governadores já estariam sendo investigados.

— Eu não sabia, eu falei como cidadã — desconversou.

Antecedência

Há duas semanas, ao comentar as acusações de Moro de que queria interferir na PF, Bolsonaro afirmou que o Rio de Janeiro era um “terreno fértil” para a polícia trabalhar e que era um dos Estados “mais complicados” do país.

Zambelli é hoje uma das parlamentares mais próximas do presidente e é vista com frequência no Planalto e no Alvorada. Nesta manhã, ao ser perguntado se Zambelli sabia das investigações com antecedência, Bolsonaro respondeu:

— Pergunta para ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *