Derek Chauvin se recusa a testemunhar em seu julgamento sobre a morte de Floyd

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 15 de abril de 2021 as 13:19, por: CdB

 

A defesa do ex-policial Derek Chauvin no julgamento pela morte de George Floyd encerrou seus trabalhos nesta quinta-feira sem colocá-lo no banco dos réus, após apresentar dois dias de depoimento à acusação.

Por Redação, com Sputnik – de Nova York

A defesa do ex-policial Derek Chauvin no julgamento pela morte de George Floyd encerrou seus trabalhos nesta quinta-feira sem colocá-lo no banco dos réus, após apresentar dois dias de depoimento à acusação.

Derek Chauvin se recusa a testemunhar em seu julgamento sobre a morte de George Floyd

Chauvin informou ao tribunal que não testemunharia, dizendo que invocaria seu direito conforme a Quinta Emenda da Constituição dos EUA de não tomar posição, segundo noticiou a AP.

– Está é sua decisão, de não testemunhar?”, perguntou o juiz Peter Cahill. “É, meritíssimo – disse Chauvin.

Esperava-se que algum testemunho de refutação da acusação ocorresse nesta quinta. Os argumentos finais foram marcados para segunda-feira, após os quais o júri, racialmente diverso, começará a deliberar no tribunal, que está cercado de arame farpado.

A cidade de Minneapolis está no limite por causa da repetição de protestos e da violência que eclodiram na primavera passada (Hemisfério Norte), após a morte de Floyd.

A questão de saber se Chauvin testemunharia foi assunto de semanas de especulação.

Os riscos eram altos

Os riscos eram altos: o depoimento poderia tê-lo exposto a um interrogatório devastador, com os promotores reproduzindo o vídeo da prisão e forçando Chauvin a explicar, um quadro por vez, por que ele continuava pressionando Floyd.

Mas tomar posição também poderia ter dado ao júri a oportunidade de ver ou ouvir qualquer remorso ou simpatia que ele pudesse sentir. Ele poderia remover a máscara que teve de usar na mesa da defesa, por causa dos cuidados contra a covid-19.

Chauvin, 45, é acusado de homicídio e homicídio culposo na morte de Floyd, após a prisão deste por suspeita de pagar uma compra com uma nota falsa de US$ 20 em um mercado de bairro. O vídeo de Floyd ofegando por não conseguir respirar, enquanto espectadores gritavam com Chauvin para deixá-lo ir, gerou protestos em todo o mundo, violência e um exame furioso sobre racismo e policiamento nos EUA.