Derrota se agiganta à frente de Bolsonaro, que reage com ameaça de golpe

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 6 de julho de 2022 as 13:39, por: CdB

O alvo principal do presidente, embora desgastado junto ao Congresso e ao Judiciário, permanece no sistema eleitoral brasileiro, com as urnas eletrônicas e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no foco de seus ataques. Este último ganha contornos de uma ‘vendeta’ contra o ministro Alexandre de Moraes, futuro presidente da autarquia.

Por Redação – de Brasília

Quanto mais as pesquisas eleitorais apontam para a vitória do líder petista Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com chances de acontecer ainda no primeiro turno, o atual mandatário, Jair Bolsonaro (PL), se desespera. Em uma cena que lembra o filme ‘A Queda’, sobre os últimos dias do nazismo sobre a Terra, Bolsonaro usa um tom exasperado na cobrança de mais empenho de seus ministros, na reunião ocorrida na véspera.

Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PL) espera contar com o apoio dos militares em uma nova tentativa de golpe de Estado

O alvo principal do presidente, embora desgastado junto ao Congresso e ao Judiciário, permanece no sistema eleitoral brasileiro, com as urnas eletrônicas e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no foco de seus ataques. Este último ganha contornos de uma ‘vendeta’ contra o ministro Alexandre de Moraes, futuro presidente da autarquia. Em mais de uma ocasião, Bolsonaro ameaçou a estabilidade democrática brasileira com um possível golpe de Estado, baseado em suas ligações com a caserna.

Durante a reunião ministerial, Bolsonaro falou sobre suas desconfianças a respeito das urnas eletrônicas e do TSE logo na abertura dos trabalhos. Em sua fala, o mandatário queixou-se dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) durante longos minutos. Na audiência; além de 22 ministros, estavam presentes também os comandantes do Exército, da Aeronáutica e um representante da Marinha.

Voto impresso

“Numa fala longa, em tom de exasperação, Bolsonaro disse que ‘não entende’ por que o TSE não aceita as sugestões das Forças Armadas sobre a segurança das urnas eletrônicas e afirmou que, se as eleições não “forem limpas”, ele não participará do pleito”, descreveu a jornalista Vera Magalhães nesta quarta-feira, em sua coluna no diário conservador carioca ‘O Globo’.

Ao se queixar sobre o TSE, Bolsonaro disse que a corte eleitoral não aceita “nem perguntas” sobre as urnas.

“Ao mesmo tempo em que repetia que pretende jogar dentro das ‘quatro linhas da Constituição’, Bolsonaro afirmou que só vai aceitar os resultados da eleição se as sugestões das Forças Armadas ao TSE sobre segurança das urnas foram acatadas”, acrescenta a colunista. Bolsonaro ainda se queixou do atual presidente do Supremo, Luiz Fux, que em 2018 teria assumido um compromisso de fazer pelo menos 5% dos votos da eleição de 2022 “impressos e auditáveis”.

Fatos positivos

A pauta do encontro ministerial, no entanto, não passou despercebida junto ao TSE. Publicamente, o objetivo do encontro com ministros seria alinhar as conversas com sua equipe de primeiro escalão sobre ações do governo e também de olho em turbinar o pagamento de programas sociais e benefícios, afirmaram à agência inglesa de notícias Reuters duas fontes com conhecimento direto das tratativas.

Reservadamente, no entanto, o objetivo da reunião era para que os ministros buscassem definir um cronograma de viagens para divulgar ações e alardear os feitos do governo federal, disseram as fontes. Esse movimento precisaria ocorrer de forma muito sutil para não se configurar uso da máquina pública na campanha, atitude que pode ser configurada como crime eleitoral e, em alguns casos, pode ser punido inclusive com a cassação da chapa candidata.

Desde o início do mês, quando se atingiu a marca de três meses antes das eleições, uma série de condutas é proibida para agentes públicos como a inauguração de obras e a contratação de servidores públicos. Ainda assim, Bolsonaro teria reclamado da falta de empenho de sua equipe de governo na divulgação de fatos positivos capazes de reduzir a rejeição monumental à sua candidatura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code