Derrota dos EUA é ‘grande lição’ para invasores, diz Talebã

Arquivado em: América do Norte, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 31 de agosto de 2021 as 10:37, por: CdB

Extremistas declaram vitória e comemoram com tiros para o alto fim da retirada norte-americana, mas garantem que visam boas relações com Washington e o resto do mundo. A partida final dos norte-americanos marcou o fim de 20 anos de intervenção. 

Por Redação, com DW – de Cabul

O Talebã comemorou a saída completa das tropas norte-americanas nesta terça-feira, horas depois que o último avião dos EUA deixou o Afeganistão, mas também disse que deseja manter boas relações diplomáticas com os Estados Unidos e o resto do mundo.

Porta-voz talebã Zabihullah Mujahid fala à imprensa na pista do aeroporto de Cabul: “Esta vitória pertence a todos nós”

A partida final dos norte-americanos marcou o fim de 20 anos de intervenção. O conflito militar mais longo dos Estados Unidos chegou ao fim na noite de segunda-feira, quando as forças americanas abandonaram o aeroporto de Cabul.

Os combatentes do Talebã invadiram rapidamente o aeroporto e deram tiros para o alto em comemoração.

– Parabéns ao Afeganistão – festejou o porta-voz do Talebã Zabihullah Mujahid, em uma coletiva de imprensa realizada na pista do aeroporto de Cabul. “Esta vitória pertence a todos nós”, acrescentou. “Queremos ter boas relações com os EUA e o mundo. Saudamos boas relações diplomáticas com todos eles”, ressaltou.

“Grande lição para outros invasores”

Mujahid disse que a derrota norte-americana no Afeganistão “é uma grande lição para outros invasores e para nossa geração futura” e “também uma lição para o mundo”.

Mohammad Naeem, porta-voz do gabinete político do Talebã no Qatar, expressou sentimento semelhante em um vídeo postado na Internet. “Graças a Deus, todos os ocupantes deixaram nosso país completamente”, disse.

O Talebã agora detém o controle total do aeroporto Hamid Karzai International. Seus veículos puderam ser vistos percorrendo nesta terça-feira a única pista no lado militar norte do campo de aviação. Pouco depois, os líderes talebãs fizeram uma caminhada de cunho simbólico pela pista.

“Momento de decisão e oportunidade”

Muitos afegãos temem viver sob o regime do Talebã, que governou o país de 1996 a 2001, período caracterizado pela marginalização de mulheres e meninas, abusos generalizados dos direitos humanos e um brutal sistema de justiça.

Zalmay Khalilzad, o enviado especial dos EUA para a Reconciliação do Afeganistão, disse que os afegãos enfrentaram “um momento de decisão e oportunidade” após a retirada das forças ocidentais. “O futuro de seu país está nas mãos deles. Eles escolherão seu caminho com total soberania”, afirmou através do Twitter. “Esta também é a chance de encerrar a guerra deles.”

O aeroporto de Cabul teve dias de caos e mortes depois que o Talebã assumiu o controle da capital, incluindo o palácio presidencial, em 15 de agosto.

Milhares de afegãos correram para o aeroporto na esperança de sair do país. Alguns deles morreram depois de se agarrarem desesperadamente à lateral de um jato de carga dos EUA enquanto a aeronave decolava.

Antes do prazo

A retirada norte-americana ocorreu pouco antes do prazo final, 31 de agosto, estabelecido pelo presidente Joe Biden para encerrar a guerra que tirou a vida de mais de dezenas de milhares de afegãos e mais de 2,4 mil militares norte-americanos.

O fim da retirada se seguiu a uma ameaça da ramificação regional do grupo terrorista “Estado Islâmico”, rival do Talebã, de realizar novos ataques contra as forças norte-americanas no aeroporto. Nesta segunda, o sistema antimísseis dos EUA interceptou cinco foguetes disparados contra o local.

Treze soldados norte-americanos estavam entre as mais de 100 pessoas mortas no final da semana passada por um ataque suicida do EI nos arredores do aeroporto, onde afegãos desesperados se aglomeraram na esperança de embarcar em um voo para sair do país.

Todos os olhares se voltam agora para a forma como o Talebã vai lidar com seus primeiros dias com autoridade exclusiva sobre o país, com um foco nítido sobre se ele permitirá a partida livre daqueles que desejam partir, incluindo alguns estrangeiros.

Milhares querem sair

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse que um pequeno número de cidadãos norte-americanos permanece no país, “menos de 200”, mas provavelmente perto de apenas 100. Muitos milhares de afegãos que trabalharam com o governo apoiado pelos EUA ao longo dos anos e temem retaliação também querem sair.

Aliados ocidentais expressaram tristeza nos últimos dias porque nem todos os afegãos que queriam fugir puderam embarcar nos voos de evacuação.

O Conselho de Segurança da ONU adotou uma resolução na segunda-feira, exigindo que o Talebã honre o compromisso de permitir que as pessoas deixem o Afeganistão livremente nos próximos dias e que conceda acesso à ONU e a outras agências de ajuda. Negociações estão em andamento para determinar quem administrará o aeroporto de Cabul.

O Talebã pediu à Turquia que cuide da logística enquanto mantém o controle da segurança, mas o presidente Recep Tayyip Erdogan ainda não aceitou a oferta. Não está claro quais companhias aéreas concordariam em voar para dentro e para fora de Cabul.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code