Derrota de May deixa Brexit ainda mais complicado para os britânicos

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 12 de março de 2019 as 10:37, por: CdB

Parlamentares britânicos, que em 15 de janeiro votaram por 432 a 202 contra seu acordo, voltaram a derrubar a proposta de May.

Por Redação, com Reuters – de Londres

A incerteza sobre o futuro da saída do Reino Unido da União Europeia prevalecia nesta terça-feira, depois que a primeira-ministra britânica, Theresa May, obteve garantias de última hora da UE. Insuficientes, no entanto, diante da derrota no Parlamento, ocorrida nesta tarde.

May disse que as garantias criaram um canal de diálogo para quaisquer disputas no chamado backstop

Em dificuldades para encontrar uma saída organizada para o labirinto do Brexit poucos dias antes de o Reino Unido se separar do bloco, May foi para Estrasburgo na segunda-feira para acertar garantias jurídicas com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. Nesta terça-feira, porém, o Parlamento britânico rejeitou pela segunda vez o acordo que define os termos do brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), aumentando a incerteza sobre a permanência da conservadora Theresa May no cargo de primeira-ministra.

O placar, dessa vez, foi menos elástico, com 391 votos contrários ao texto e 242 a favor. Trata-se de uma diferença de 149 votos, menor do que os 230 garantidos na primeira consulta, em 15 de janeiro, na derrota mais expressiva de um governo britânico no Legislativo. Parlamentares britânicos, que em 15 de janeiro votaram por 432 a 202 contra seu acordo, estudaram as garantias e se posicionaram.

– Garantimos mudanças legais – disse May em entrevista coletiva em Estrasburgo ao lado de Juncker, 17 dias antes de o Reino Unido deixar a UE, em 29 de março.

‘Backstop’

May disse que as garantias criaram um canal de diálogo para quaisquer disputas no chamado backstop. Isso “fortalece juridicamente” os compromissos existentes de que a solução será temporária e obriga o Reino Unido e a UE a começarem a trabalhar para substituir o “backstop” por outros acordos até dezembro de 2020.

Após dois anos e meio de discussões desde o referendo de 2016 do Brexit, Juncker alertou que esta foi a última chance para o Reino Unido. “É este o acordo ou o Brexit pode não acontecer”, disse.

A libra esterlina subiu 1,5 %  em relação ao dólar e está há quase dois anos em alta em relação ao euro.

Se os parlamentares votarem contra o acordo de May, ela prometeu votar na quarta-feira sobre sair da UE sem um acordo e, se eles rejeitarem isso, em seguida, deve haver uma votação sobre a possibilidade de pedir um prazo limitado para o Brexit.

O labirinto em que o Reino Unido se encontra sobre a integração à UE está se aproximando do final com uma série de resultados possíveis, incluindo um atraso, um acordo de última hora, um não acordo do Brexit, uma eleição antecipada ou até mesmo outro referendo.

O Brexit lançará a quinta maior economia do mundo em um rumo desconhecido e muitos temem que isso possa dividir o Ocidente ao lidar com a presidência não-convencional dos Estados Unidos, de Donald Trump, e com a crescente consolidação da Rússia e da China.