Desgoverno e fundamentalistas querem acabar com a educação pública

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de abril de 2021 as 09:00, por: CdB

 

Não é novidade que o desgoverno de Jair Bolsonaro e sua base fundamentalista no Congresso Nacional atuam para acabar com a educação pública. Contraditoriamente apoiam o ensino domiciliar e defendem o retorno às aulas presenciais mesmo em meio ao grande número de mortes e contágios pelo coronavírus.

Por Francisca Rocha – de São Paulo

Não é novidade que o desgoverno de Jair Bolsonaro e sua base fundamentalista no Congresso Nacional atuam para acabar com a educação pública. Contraditoriamente apoiam o ensino domiciliar e defendem o retorno às aulas presenciais mesmo em meio ao grande número de mortes e contágios pelo coronavírus.

Não é novidade que o desgoverno de Jair Bolsonaro e sua base fundamentalista no Congresso Nacional atuam para acabar com a educação pública

Somente essa contradição já denuncia o caráter genocida desse desgoverno que nega a ciência, a história, a cultura e o conhecimento. Os fundamentalistas religiosos preconizam o ensino domiciliar para manter seus filhos sob o cabresto da ignorância e da falta de horizontes futuros.

Ao mesmo tempo querem as aulas presenciais para favorecer os barões da educação, sem nenhum compromisso com a vida e com a profusão do saber. Pois todo mundo sabe que o isolamento social é essencial para barrar a disseminação do vírus. O Ministério da Educação, que trabalha contra a educação, deveria agir em concomitância com o movimento educacional e lutar por mais verbas para esse setor, mas não faz nada.

O desgoverno corta verbas da educação publica, sem que os seus apoiadores,“tão ciosos da educação”, nada reclamam, aliás, apoiam e se calam. Tanto que não discutem o veto presidencial ao projeto de lei 3.477-2020 para garantir acesso à internet e todos os mecanismos necessários para professores e estudantes terem o ensino remoto à distância e dessa forma todos poderem estudar com dignidade.

A pandemia

A pandemia evidenciou a desigualdade social e educacional no país e os conservadores agora se mostram tão preocupados com os mais pobres, que estão sem acesso à educação e sem comida. Mas quando têm que votar projeto a favor de um auxílio emergencial condizente de ao menos R$ 600 para todas as pessoas necessitadas se omitem.

Também se omitem sobre a violência contra crianças e jovens, pois defendem o castigo como método pedagógico. Por isso, além da educação domiciliar castradora defendem a escola cívico-militar da mesma forma repressiva e impeditiva do pensamento crítico, tão necessário ao progresso humano.

O movimento educacional se mobiliza pela valorização da educação pública como direito constitucional das crianças e adolescentes, assim como um direito humano de todas e todos.

Para isso, lutamos por mais investimentos na educação pública, com valorização dos profissionais, liberdade, diálogo, autonomia curricular, respeito às professoras e professores, piso salarial empoderado e estruturação das escolas com biblioteca, laboratório de ciência, quadras esportivas, material adequado e suficiente para as aulas, enfim uma escola democrática, inclusiva e com qualidade social. Para tudo isso existir, fora Bolsonaro.

Francisca Rocha, é secretária de Assuntos Educacionais e Culturais do Sindicato dos Professores de Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP), secretária de Saúde da Confederação Nacionaldo Trabalhadores na Educação (CNTE) e dirigente da Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB-SP).

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil