Desigualdade salarial aumenta no Brasil desde início do golpe

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 20 de agosto de 2018 as 14:30, por: CdB

A concentração de renda de renda aumentou 3,2% desde a deflagração do golpe de Estado, em curso, com a derrubada da presidenta Dilma Rousseff, deposta em maio de 2016.

 

Por Redação – de São Paulo

 

O desemprego de cerca de 14 milhões de trabalhadores é um dado que assombra o trabalhador brasileiro. Não bastasse o fato recorde na História econômica recente do país, um levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV) aponta que; além de enfrentar a falta de trabalho e uma das piores recessões das últimas décadas, a renda média do trabalhador caiu 3,4% nos últimos quatro anos.

O desespero por uma vaga de trabalho fica mais visível entre os brasileiros mais pobres
O desespero por uma vaga de trabalho fica mais visível entre os brasileiros mais pobres

Em contrapartida, a concentração de renda de renda aumentou 3,2% desde a deflagração do golpe de Estado, em curso, com a derrubada da presidenta Dilma Rousseff, deposta em maio de 2016.

Desigualdade

O descompasso fez com que o índice de bem-estar geral do país despencasse 7,5% no período. Ainda segundo o estudo da FGV, a queda de renda foi sentida principalmente pelas camadas mais pobres da população.

Em junho de 2018, o Brasil fez quase três anos consecutivos de desigualdade salarial, algo que não era registrado desde 1989.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *