Dirceu ameaça: servidores terão que assumir consequências administrativas

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 8 de julho de 2003 as 15:00, por: CdB

O chefe da Casa Civil da Presidência da República, ministro José Dirceu, disse nesta terça-feira que os servidores federais terão que assumir as conseqüências administrativas da greve. Os servidores decidiram paralisar suas atividades por causa da reforma da Previdência.

– Evidentemente, na lei, da mesma forma que existe o direito à greve, existem os ônus de se fazer greve – afirmou Dirceu, sem detalhar quais medidas poderiam ser tomadas em relação aos grevistas.

Ele reiterou que o governo está aberto ao diálogo e disse que acredita na possibilidade de haver avanço nas negociações.

– O problema é que um setor dos servidores públicos não quer negociação, quer a retirada da proposta de emenda constitucional, e isso não é possível, isso o governo não fará.

Segundo Dirceu, os líderes do governo no Congresso estão à disposição dos servidores e a bancada governista busca uma alternativa que atenda a toda a categoria, mas que preserve as bases da reforma. O ministro não quis revelar em que pontos da reforma o governo aceita mudanças.

Sobre a possibilidade de tratamento diferenciado para determinadas categorias, como Judiciário e Ministério Público, Dirceu reiterou que a intenção do governo é realizar uma reforma da Previdência que seja extensiva a todos os servidores, mas ressaltou que a negociação agora deve ser feita com o Congresso Nacional.

Ele lembrou que isso foi o que o presidente Lula disse ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Maurício Correia, durante encontro realizado nesta segunda-feira.