Discurso de ódio de Bolsonaro atrai o apoio do movimento neonazista

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 11 de março de 2020 as 16:37, por: CdB

Por trás do apoio de extremistas à convocação de Bolsonaro, na realidade, estão grandes empresários e instituições internacionais ligadas à extrema direita, segundo investigações adiantadas no STF. O inquérito tramita sob sigilo de Justiça e tem foco em ameaças, ofensas e calúnias dirigidas a ministros do STF e suas famílias.

Por Redação – de Brasília e São Paulo

Após insistir que houve a manipulação dos resultados eleitorais, em 2018, e convocar as forças fascistas para sair às ruas, no próximo dia 15, nas manifestações golpistas contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem atraído o apoio de facções neonazistas. Com isso, perde apoio junto ao próprio eleitorado.

Pesquisa divulgada nesta quarta-feira mostra que a avaliação negativa de Bolsonaro cresceu de 32%, em dezembro do ano passado, para 35% agora, em março.

Impeachment

O estudo, divulgado pela Quaest Consultoria nesta quarta-feira e realizado entre os dias 2 e 5 de março com 1 mil eleitores, revela ainda que o percentual daqueles que avaliam o governo como regular oscilou dois pontos para baixo e chega 34%, enquanto os que veem de forma positiva a administração foram de 29% para 30%, no mesmo período.

Bolsonaro atacou a repórter, em entrevista a jornalistas, à saída do Palácio da Alvorada, sem qualquer reação dos colegas
Bolsonaro ataca os jornalistas, à saída do Palácio da Alvorada, de forma repetida, desde que tomou posse

Entre dos entrevistados, 39% são a favor do impeachment de Jair Bolsonaro,  49% ainda são contrários e 12% não responderam. De acordo com a pesquisa, 50% dizem não apoiar o fechamento do Congresso Nacional, 33% apoiam e 17% não responderam ou não quiseram falar sobre o assunto.

O estudo aponta, ainda, que a maior parcela de quem avalia como positiva a gestão de Bolsonaro se concentra entre homens (32%), de 60 e 75 anos (35%) na região Centro-Oeste (41%) e evangélicos (47%). É para esse público que o mandatário neofascista vem conclamando pela presença nos atos do próximo dia 15. Até agora, conseguiu a atenção de um dos mais nefastos grupos neofascistas em atividade no país.

Suástica

Em nota na coluna que assina no diário conservador paulistano O Estado de S. Paulo, a jornalista Vera Magalhães — achincalhada por Bolsonaro — denuncia o usuário neonazista que divulgou, nas redes sociais, a suástica e o apoio às manifestações do dia 15, em defesa do fechamento das instituições.

“Alô, @Twitter @TwitterBrasil, suástica ta liberada? Este é o ato que é a “favor do Brasil”, segundo o presidente da República e a @secomvc?”, questiona a colunista.

Por trás do apoio de extremistas à convocação de Bolsonaro, na realidade, estão grandes empresários e instituições internacionais ligadas à extrema direita, segundo investigações adiantadas no STF. O inquérito tramita sob sigilo de Justiça e tem foco em ameaças, ofensas e calúnias dirigidas a ministros do STF e suas famílias; além da ajuda na convocação para os atos organizados por bolsonaristas e convocados pelo próprio titular do Palácio do Planalto.

Sem provas

Sem apresentar qualquer prova de que houve fraude eleitoral, na campanha de 2018, Bolsonaro enfrenta, agora, a resposta da Comissão de Direito Eleitoral da Seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil. Em nota divulgada nesta manhã, a instituição aguarda, “com a maior brevidade possível”, esclarecimento de Jair Bolsonaro sobre tese de “fraude” no processo eleitoral de 2018, sustentada durante declaração nos EUA.

O mandatário afirmou que foi eleito, para o cargo de chefe do executivo nacional, ainda no primeiro turno, diferente do resultado apresentado pelas urnas. A Comissão de Direito Eleitoral da OAB-SP, bem como o Tribunal Superior Eleitoral, reiterou sua confiança no sistema brasileiro para eleições políticas.

Leia, adiante, a íntegra da nota da OAB-SP:

“Nota Pública – Declaração presidencial sobre fraude em eleições

“A Comissão de Direito Eleitoral da OAB São Paulo recebeu com apreensão a notícia divulgada ontem pelo Exmo. Sr. Presidente da República, Jair Bolsonaro, de que teria havido fraude no processo eleitoral das eleições presidenciais de 2018 e que o país careceria de um sistema seguro de apuração de votos a fim de afastar manipulação e fraude.

“A Comissão de Direito Eleitoral da OAB SP, por confiar na segurança do processo eleitoral do país, muito bem conduzido e administrado pela Justiça Eleitoral, reitera a confiança no sistema de votação e aguarda, com a maior brevidade possível, o esclarecimento da fala do senhor Presidente da República, e, sobretudo, que o assunto seja conduzido com a seriedade e responsabilidade compatíveis com a gravidade das acusações.

Comissão de Direito Eleitoral da OAB SP”.