Disparada da covid-19 aumenta pressão para agência aprovar transição Trump-Biden

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 19 de novembro de 2020 as 10:44, por: CdB

Uma agência norte-americana pouco conhecida que mantém a burocracia federal em funcionamento é o maior impedimento aos novos esforços para combater o surto de coronavírus, disse o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden.   

Por Redação, com Reuters – de Washington

Uma agência norte-americana pouco conhecida que mantém a burocracia federal em funcionamento é o maior impedimento aos novos esforços para combater o surto de coronavírus, disse o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, na quarta-feira.

Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, em Wilmington
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, em Wilmington

– Há um monte de coisas que simplesmente não estão acessíveis a nós – disse Biden, inclusive dados em tempo real sobre equipamentos de proteção individual e o plano de distribuição de vacinas contra covid-19.

Emily Murphy, a administradora dos Serviços Gerais, precisa “certificar” o vencedor da disputa presidencial de 3 de novembro entre Biden e o presidente republicano, Donald Trump, uma condição para a liberação de fundos e recursos para o vencedor, mas não o fez até agora.

Grande margem de vitória de Biden

Apesar da grande margem de vitória de Biden, Trump se recusa a admitir a derrota, e suas contestações legais estão minguando.

Murphy tem autoridade exclusiva para liberar salários, escritórios, endereços de email oficiais e informes de inteligência a um novo governo, que assume formalmente com a posse de Biden em 20 de janeiro.

– A menos que isso seja disponibilizado em breve, ficaremos semanas ou meses atrasados no esforço contra o coronavírus, disse Biden a socorristas, enfermeiros e outros profissionais da linha de frente em um evento virtual em Washington.

Uma onda de infecções de coronavírus se espalhou pelos Estados Unidos, e o número de mortos ultrapassou 250 mil na quarta-feira.

Murphy está cada vez mais pressionada por agências reguladoras eleitorais, democratas, um número crescente de republicanos, a Associação Médica Americana e seu antecessor para reconhecer Biden como o vencedor.