Dólar amplia queda contra moeda brasileira

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de novembro de 2019 as 13:20, por: CdB

A moeda norte-americana fechou a sessão anterior em alta de 0,55%, a R$ 4,0091 na venda, mas acumulou em outubro a segunda maior queda mensal do ano.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar recuava em relação ao real nesta sexta-feira, ficando abaixo dos 4 reais, com uma pausa nas tensões da guerra comercial favorecendo o apetite por risco em meio a dados positivos da indústria da China e um relatório de emprego melhor do que o esperado nos Estados Unidos.

Neste pregão, o dólar futuro de maior liquidez tinha queda de 0,96%, a R$ 3,986
Neste pregão, o dólar futuro de maior liquidez tinha queda de 0,96%, a R$ 3,986

Às 10:36, o dólar recuava 0,73%, a R$ 3,9799 na venda. A moeda norte-americana fechou a sessão anterior em alta de 0,55%, a R$ 4,0091 na venda, mas acumulou em outubro a segunda maior queda mensal do ano.

Neste pregão, o dólar futuro de maior liquidez tinha queda de 0,96%, a R$ 3,986.

A guerra comercial prolongada entre Estados Unidos e China parecia dar uma pausa para respirar nesta sexta-feira, com a falta de intensificação nas tensões entre as duas maiores economias do mundo favorecendo as moedas emergentes, mais arriscadas.

– É um movimento externo, com ausência de notícias em relação à guerra comercial, o que beneficia o real – disse Camila Abdelmalack, economista da CM Capital Markets.

Na quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que os EUA e a China anunciarão em breve um novo local onde ele e o presidente chinês, Xi Jinping, assinarão a “fase um” de um acordo comercial após o Chile cancelar uma cúpula planejada para meados de novembro.

Trump não ofereceu detalhes sobre quando uma nova reunião pode ser marcada, mas a Casa Branca disse na quarta-feira que espera finalizar um acordo “dentro do mesmo período de tempo” planejado.

Em outro estímulo ao risco, a criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos desacelerou menos do que o esperado em outubro, enquanto as contratações nos dois meses anteriores foram mais fortes do que o estimado originalmente, oferecendo garantia que os consumidores continuarão a sustentar a economia norte-americana.

Na China, a atividade industrial expandiu inesperadamente no ritmo mais forte em mais de dois anos em outubro, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit divulgada nesta sexta-feira.

– Os dados de emprego dos EUA vieram acima das expectativas do mercado… e dados da China beneficiaram os emergentes e ampliaram a busca por ativos mais arriscados – completou Abdelmalack.

O peso mexicano, par do real, avançava contra a moeda norte-americana, enquanto outras emergentes, como a lira turca e o rand sul-africano tinham leves quedas. O índice do dólar contra seis moedas rivais rondava a estabilidade, a 97,352.

Nesta sexta-feira, o Banco Central vendeu US$ 500 milhões dos US$ 600 milhões em moeda spot ofertados, e 10 mil dos 12.000 contratos de swap cambial reverso.

Adicionalmente, a autarquia também ofertará contratos de swap tradicional, para rolagem do vencimento janeiro de 2020.

Ibovespa

O Ibovespa avançava no início da primeira sessão de novembro, com dados econômicos melhores do que o esperado nos Estados Unidos conduzindo o movimento positivo do mercado, com papéis de Suzano liderando as altas após divulgação de balanço trimestral. Às 10:16, o Ibovespa subia 0,66%, a 107.931,69 pontos.

Wall Street

Os principais índices acionários dos Estados Unidos subiam quase 1% nesta sexta-feira, animados com os dados de outubro de que a criação de emprego no país desacelerou menos do que o esperado e que a atividade industrial da China expandiu no ritmo mais rápido em mais de dois anos.

Às 11:49 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,9%, a 27.289 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,77661%, a 3.061 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,87%, a 8.365 pontos.

O Nasdaq quebrou seu nível recorde pela primeira vez desde julho, enquanto o S&P 500 chegou à quarta máxima recorde nesta semana.