Dólar apresenta estabilidade ante moeda brasileira

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 4 de novembro de 2019 as 12:21, por: CdB

A moeda norte-americana fechou a sexta-feira com queda de 0,35%, a R$ 3,9950 na venda.

Por Redação, com Reuters – de Brasília

O dólar rondava a estabilidade ante o real nesta segunda-feira, em meio à expectativa no Brasil por um pacote econômico e pelo leilão de excedentes da cessão onerosa, em um cenário de preocupação com a atividade no exterior.

Às 10:37, o dólar recuava 0,02%, a R$ 3,9941 na venda. A moeda norte-americana fechou a sexta-feira com queda de 0,35%, a R$ 3,9950 na venda. Neste pregão, o dólar futuro de maior liquidez tinha ganho de 0,09%, a R$ 4,00.

O Banco Central vendeu nesta terça-feira 5.100 contratos de swap cambial reverso, de oferta de até 12.000, e US$ 255 milhões em moeda à vista
O Banco Central vendeu nesta terça-feira 5.100 contratos de swap cambial reverso, de oferta de até 12.000, e US$ 255 milhões em moeda à vista

O cenário doméstico era favorável nesta sessão, com os agentes do mercado aguardando um amplo conjunto de medidas econômicas, mirando o corte de incentivos tributários e a desvinculação de recursos de fundos não constitucionais para pagamento da dívida pública, entre outras iniciativas.

A expectativa é que Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, entreguem às 11h de terça-feira ao Senado todas as medidas referentes ao pacto federativo, que terão sua tramitação iniciadas na Casa. Uma coletiva à imprensa deverá ser realizada no mesmo dia.

– Do ponto de vista doméstico para a semana, não é um cenário ruim – disse Alessandro Faganello, operador de câmbio da Advanced Corretora.

– Há o pacote do Paulo Guedes, que será apresentado amanhã, uma notícia positiva, junto com o megaleilão de quarta-feira – completou.

O leilão de excedentes da cessão onerosa será realizado na quarta-feira, com altas expectativas dos investidores sobre a entrada de fluxos no Brasil. O bônus total das áreas que serão leiloadas foi fixado em R$ 106,6 bilhões, o que pode fazer da licitação a maior de áreas de petróleo do mundo, segundo autoridades brasileiras.

No entanto, o dia era marcado por dados fracos vindos do exterior, o que alimentava a procura pela moeda norte-americana.

A atividade industrial da zona do euro contraiu com força no mês passado uma vez que a demanda foi novamente afetada pela guerra comercial dos Estados Unidos e pela contínua falta de clareza sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, segundo a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

Daqui para frente, segundo Faganello, o foco cairá sobre o discurso da nova presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, e sobre a ata do Copom, no dia seguinte, em busca de pistas sobre a política monetária no Brasil e na Europa.

No exterior, as moedas emergentes pares do real, como o peso mexicano e a lira turca, registravam leves altas contra a moeda norte-americana.

O índice do dólar contra uma cesta das principais divisas avançava 0,09%, a 97,327.

O Banco Central vendeu nesta terça-feira 5.100 contratos de swap cambial reverso, de oferta de até 12.000, e US$ 255 milhões em moeda à vista, de oferta de US$ 600 milhões. Adicionalmente, a autarquia também ofertará contratos de swap tradicional, para rolagem do vencimento dezembro de 2019.

Ibovespa

O Ibovespa tinha firme avanço na primeira sessão da semana, tocando o patamar de 109 mil pontos pela primeira vez, guiado pelo otimismo internacional com a possibilidade de um acordo comercial entre Estados Unidos e China. Às 12:33, o Ibovespa subia 0,78%, a 109.042,46 pontos. O volume financeiro somava R$ 4,7 bilhões.

A possibilidade de um acordo entre EUA e China animava os mercados nesta segunda-feira, com o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, dizendo no domingo que não havia razão para que o acordo não esteja no caminho certo para ser assinado ainda este mês.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse nesta segunda-feira que o presidente Xi Jinping e Donald Trump têm estado em contato por “vários meios”, mas não detalhou quando e onde Xi poderá encontrar Trump.

No Brasil, as atenções se voltam para o amplo conjunto de medidas econômicas que serão anunciadas durante este semana, com expectativas de que o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes, entreguem as medidas ao Senado às 11h de terça-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *