Dólar cai contra o real diante de otimismo sobre Brexit

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 25 de outubro de 2019 as 12:46, por: CdB

A moeda norte-americana encerrou na véspera com alta de 0,30%, a R$ 4,0449 na venda, apesar de ter recuado abaixo de R$ 4 pela primeira vez desde agosto durante a sessão.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar voltava a mostrar queda contra o real nesta sexta-feira, após na véspera ter quebrado a sequência de dois dias de perdas, em dia de cena externa mais positiva diante de expectativas otimistas sobre o Brexit e a retomada das discussões comerciais entre Estados Unidos e China.

A queda do dólar também era compartilhado por outras moedas emergentes pares do real, como rand sul-africano e peso mexicano
A queda do dólar também era compartilhado por outras moedas emergentes pares do real, como rand sul-africano e peso mexicano

Às 10:36, o dólar recuava 0,75%, a R$ 4,0145 na venda. A moeda norte-americana encerrou na véspera com alta de 0,30%, a R$ 4,0449 na venda, apesar de ter recuado abaixo de R$ 4 pela primeira vez desde agosto durante a sessão. Na B3, o dólar futuro tinha queda de 0,61%, a R$ 4.016.

Nesta sexta, a notícia de que a UE concedeu a extensão do prazo para o Brexit pedido pelo Reino Unido somada à notícia da Reuters afirmando que autoridades comerciais dos EUA e da China devem discutir nesta sexta planos para a China comprar mais produtos agrícolas dos EUA pintavam uma cena mais positiva no dia.

– Temos uma cena externa que voltou a alimentar o otimismo no mercado. Existe uma visão de que dois dos principais impasses externos (Brexit e guerra comercial EUA-China) estão de fato caminhando e isso alimenta o viés de queda que o dólar já vinha recebendo na semana – afirmou Alessandro Faganello, operador de câmbio da Advanced Corretora.

Faganello também afirmou que a proximidade dos leilões de petróleo é outro fator que tem ajudado a alimentar as expectativas de volta de fluxo de recursos ao país, valorizando o real.

O viés de queda do dólar também era compartilhado por outras moedas emergentes pares do real, como rand sul-africano e peso mexicano, que se volorizavam contra a moeda norte-americana na sessão.

Segundo a equipe de análise da Correparti Corretora, a tendência para o dólar contra o real no curto prazo ainda é de baixa, no entanto, não é possível descartar um movimento de recomposição de posições, caso o dólar volte a operar abaixo da casa dos R$ 4,00.

Na cena doméstica, o Banco Central informou na quinta-feira que dará sequência ao longo de novembro a leilões de dólar à vista, swap cambial reverso e swap tradicional, mantendo a estratégia de troca de instrumentos em curso desde agosto.

Nesta sessão, o Banco Central vendeu todos os 10.500 contratos de swap cambial reverso ofertados, além de 525 milhões em moeda spot (de oferta de até US$ 525 milhões).

Ibovespa

O Ibovespa superou os 108 mil pontos pela primeira vez nesta sexta-feira, guiado pela alta expressiva das ações da Petrobras após a petrolífera reportar resultado trimestral forte, enquanto Ambev atenuava o fôlego, em queda de quase 7% depois de resultado considerado fraco.

Às 11:29, o Ibovespa subia 0,32 %, a 107.326,33 pontos. Na máxima até o momento, chegou a 108.083,26 pontos. O volume financeiro somava R$ 5 bilhões.

Para a equipe da Elite Investimentos, o Ibovespa está repercutindo nesta manhã, principalmente, os resultados de Petrobras e Vale, divulgados na noite da véspera, em meio a uma agenda fraca no exterior, onde Wall Street também reage à temporada de balanços das companhias norte-americanas.

Eles ressaltaram, contudo, que os mercados seguem atentos ao progresso das negociações entre os Estados Unidos e a China, bem como o impasse na União Europeia em relação ao Brexit.

Números sobre a participação de estrangeiros no mercado secundário de ações brasileiro mostram entradas líquidas de R$ 1,4 bilhão nesta semana até o dia 23, o que ajuda a explicar o movimento mais forte do Ibovespa nos últimos dias, renovando máximas várias vezes.

Em Wall Street, o S&P 500 mostrava acréscimo de 0,15%. Na visão da equipe do BTG Pactual, a partir de agora, investidores na bolsa paulista tendem a ficar no aguardo da divulgação de mais resultados trimestrais para intensificar suas razões de compra, conforme nota enviada pela área de gestão de recursos do banco a clientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *