Dólar chega a R$ 3,80 e BC passa a intervir no mercado de câmbio

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 5 de junho de 2018 as 15:49, por: CdB

No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas e também divisas de países emergentes, como o rand sul-africano e o peso mexicano.

 

Por Redação – de São Paulo

Após saltar 1,70% e bater no patamar de R$ 3,80, por conta do cenário externo e político local, a alta do dólar perdia força nesta terça-feira com a atuação mais forte do Banco Central. Às 12h31, o dólar avançava 0,60%, a R$ 3,7659 na venda, depois ir a R$ 3,8076 na máxima do dia, maior nível intradia desde março de 2016. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,60%.

A cotação do dólar varia de acordo com o humor do mercado financeiro
A cotação do dólar varia de acordo com o humor do mercado financeiro

A moeda norte-americana já vinha operando em alta desde a abertura do negócios, influenciada pelo cenário político local, a poucos meses das eleições presidenciais, e pelo movimento no exterior, que ganhou força após dados mais robustos sobre a economia norte-americana.

No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas e também divisas de países emergentes, como o rand sul-africano e o peso mexicano.

Juros elevados

Pela manhã, foi divulgado que o índice de atividade de serviços nos Estados Unidos ficou em 58,6 em maio, ante previsão de 57,5 em pesquisa da agência inglesa de notícias Reuters. Já o índice PMI final de serviços do país subiu a 56,8 no mesmo mês, ante 54,6 em abril e preliminar de 55,7.

Dados fortes de emprego dos Estados Unidos divulgados recentemente já haviam reavivado apostas de que o Federal Reserve, banco central do país, pode aumentar a taxa de juros mais três vezes este ano. As expectativas do mercado, por enquanto, são de mais dois aumentos até dezembro.

Juros elevados têm potencial para atrair à maior economia do mundo recursos aplicados hoje em outros mercados, como o brasileiro.

Leilão

Com isso, o dólar disparou no mercado brasileiro também. Desencadeou um movimento conhecido como “stop loss”; quando os investidores desfazem suas posições rapidamente, diante de sinais que consideram mais negativos. Segundo o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer; não houve saída de recursos do mercado. Apenas esse movimento técnico.

Assim, o BC brasileiro decidiu entrar mais pesado e anunciou novo leilão de até 30 mil novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, ainda nesta sessão. Vendeu 16.210 contratos e, em seguida, anunciou outro leilão para tentar vender o restante de 13.790 swaps.

Com isso, o dólar era negociado perto da mínima do dia, rondando o patamar de R$ 3,75 .

A autoridade monetária já havia feito leilão de novos swaps neste pregão e vendeu a oferta integral de até 15 mil contratos, totalizando US$ 3,061 bilhões neste mês.

Pesquisa

E também vendeu integralmente a oferta de até 8.8 mil swaps para rolagem; já somando US$ 1,320 bilhão do total de US$ 8,762 bilhões que vence em julho. Se mantiver esse volume até o final do mês; rolará integralmente o volume.

Do lado doméstico, a cena política também influenciava; após a divulgação da pesquisa de intenção de votos do DataPoder360. O estudo mostrou o candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) na segunda posição, atrás de Jair Bolsonaro (PSL); com Geraldo Alckmin (PSDB), visto pelo mercado como candidato com perfil reformista, sem decolar.

Além disso; a pesquisa mostrou o ex-prefeito de São Paulo João Doria, também do PSDB; como um dos possíveis candidatos. Mas também sem força.

— A questão é que o candidato de esquerda tem se mostrado mais competitivo do que um candidato pró-mercado — afirmou o gestor de derivativos de uma corretora local.

Reajustes

Os investidores ainda continuavam cautelosos com os desdobramentos do locaute dos caminhoneiros. O movimento afetou o abastecimento do país nas últimas semanas. O governo acabou cedendo na maioria das reivindicações da categoria para baixar os preços do diesel; gerando uma conta bilionária que impactará os cofres públicos. E prejudicará o ajuste fiscal.

Agora, o governo trabalha para mudar a periodicidade dos reajustes de preços de gasolina; sem mudar a política de preços da Petrobras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *