Dólar começa semana com recuo frente à moeda brasileira

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 26 de agosto de 2019 as 11:05, por: CdB

Na última sexta-feira, o dólar fechou em alta de 1,15%, a R$ 4,1244 na venda.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar se desvalorizava frente ao real nesta segunda-feira, depois de tocar R$4,1244 na venda na semana passada, com agentes do mercado de olho nos desenvolvimentos da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Às 9:57, o dólar recuava 0,39%, a R$ 4,1084 na venda. Na sexta-feira, o dólar fechou em alta de 1,15%, a R$ 4,1244 na venda. Neste pregão, o dólar futuro tinha queda de cerca de 0,4%.

Às 9:57, o dólar recuava 0,39%, a R$ 4,1084 na venda. Na sexta-feira, o dólar fechou em alta de 1,15%

Os Estados Unidos e a China buscaram nesta segunda-feira aliviar as tensões sobre a guerra comercial nesta segunda-feira, com Pequim pedindo calma e o presidente norte-americano, Donald Trump, prevendo um acordo depois que os mercados recuaram em resposta a novas tarifas de ambos os países.

Para Camila Abdelmalack, economista-chefe da CM Capital Markets, as declarações traziam um certo alívio para os mercados e ajudavam a elevar os ativos de risco. No entanto, o sentimento de cautela permanecia de pano de fundo, já que o cenário de mudanças bruscas de posicionamento de ambos os lados já se mostrou comum.

– Esse evento vai influenciar o mercado por um prazo indefinido, então sempre vai ter uma cautela. Por agora, está tudo tranquilo, mas amanhã as coisas podem mudar – disse.

Na cena doméstica, o BC vendeu todos os US$ 550 milhões em moeda física nesta sexta-feira e negociou ainda todos os 11 mil contratos de swap cambial reverso ofertados — nos quais assume posição comprada em dólar.

Na semana passada, o Banco Central anunciou a programação de leilões de venda de dólar à vista ao longo do mês de setembro, em operações que podem somar US$ 11,6 bilhões.

Índices da China caem

O iuan recuou para a mínima de 11 anos contra o dólar nesta segunda-feira e as ações chinesas caíram com a intensificação da disputa comercial com os Estados Unidos, ameaçando prejudicar ainda mais as duas maiores economias do mundo.

O iuan negociado no mercado doméstico chegou a cair 0,7% nos primeiros minutos de negociação, para US$ 7,15, nível mais fraco desde fevereiro de 2008 e a segunda maior queda diária no mês. O iuan no exterior caiu para a mínima recorde de 7,1850.

Mas a moeda reduziu as perdas depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta segunda-feira acreditar que Pequim quer fechar um acordo comercial. Trump disse que a China entrou em contato com autoridades comerciais dos EUA para dizer que quer retornar à mesa de negociações.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 1,44%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 1,17%, com as declarações de Trump chegando às mesas pouco antes do fechamento.

A guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo se intensificou na sexta-feira, com ambos os lados adotando mais tarifas sobre as exportações um do outro.

Trump anunciou uma taxa adicional sobre cerca de 550 bilhões de dólares de produtos chineses, horas depois de a China divulgar tarifas retaliatórias sobre us$ 75 bilhões em mercadorias dos EUA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *