Dólar fortalecido pesa mais nas economias emergentes

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 7 de dezembro de 2020 as 14:08, por: CdB

O dólar caiu mais de 12% em relação a máximas de março depois que o Federal Reserve reduziu os juros para mínimas recordes. Mas o BIS disse que o dólar continua sujeito a grandes oscilações e qualquer reversão no sentimento de risco pode fazer com que ele suba — prejudicando as perspectivas de crescimento para os mercados emergentes.

Por Redação, com Reuters – de Londres

Um dólar mais forte pesará cada vez mais nas perspectivas econômicas dos mercados emergentes, já que os países em desenvolvimento assumiram muitas dívidas denominadas em dólares na última década, disse o Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) nesta segunda-feira.

A alta do dólar contribui para o aumento da inflação, no país, justamente no momento de uma recessão
A alta do dólar contribui para o aumento da inflação, no país, justamente no momento de uma recessão

O dólar caiu mais de 12% em relação a máximas de março depois que o Federal Reserve reduziu os juros para mínimas recordes. Mas o BIS disse que o dólar continua sujeito a grandes oscilações e qualquer reversão no sentimento de risco pode fazer com que ele suba — prejudicando as perspectivas de crescimento para os mercados emergentes.

Pandemia

Usando dados de 21 economias de mercados emergentes entre 1990 e 2019, os pesquisadores do BIS descobriram que um aumento de 1 ponto percentual no valor do dólar em relação a uma cesta de moedas levou a uma queda de 0,3% nas perspectivas de crescimento para esses países.

Isso ficou evidente na primeira onda da pandemia de coronavírus este ano, quando um aumento de quase 10% no valor do índice do dólar nos primeiros três meses de 2020 resultou em saídas recordes de títulos de mercados emergentes e spreads mais amplos.

“As economias de mercado emergentes são particularmente vulneráveis às mudanças no valor do dólar por meio desses canais, tornando a ampla taxa de câmbio do dólar um fator de risco específico”, disse o BIS.