Dólar recua contra moeda brasileira

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 28 de outubro de 2019 as 13:29, por: CdB

Às 9:11, o dólar recuava 0,36%, a R$ 3,9949 na venda. A moeda norte-americana encerrou a sexta-feira em queda de 0,88%, a R$ 4,0094 na venda.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar recuava contra o real nos primeiros negócios desta segunda-feira, com o foco dos investidores na vizinha Argentina após a vitória do peronista Alberto Fernández nas eleições gerais, em semana de expectativas de corte na Selic e reunião do Federal Reserve.

Dólar encerrou a sexta-feira em queda de 0,88%, a R$ 4,0094 na venda, o menor valor para um fechamento desde 16 de agosto
Dólar encerrou a sexta-feira em queda de 0,88%, a R$ 4,0094 na venda, o menor valor para um fechamento desde 16 de agosto

Às 9:11, o dólar recuava 0,36%, a R$ 3,9949 na venda. A moeda norte-americana encerrou a sexta-feira em queda de 0,88%, a R$ 4,0094 na venda, o menor valor para um fechamento desde 16 de agosto, chegando a ficar abaixo dos R$ 4 na sessão.

Na B3, o dólar futuro tinha queda de 0,26% a R$ 3,995.

Nesta sessão, o Banco Central ofertará 10.500 contratos de swap cambial reverso e até 525 milhões em moeda spot. Adicionalmente, a autarquia também ofertará contratos de swap tradicional, para rolagem do vencimento dezembro de 2019.

Ibovespa

O Ibovespa ensaiava bater um novo recorde intradia na manhã desta segunda-feira, com papéis de bancos tendo ampla participação na alta, enquanto agentes do mercado reagem aos balanços trimestrais das empresas listadas na bolsa paulista.

Às 11:48, o Ibovespa subia 0,37 %, a 107.760,29 pontos. O volume financeiro era de R$ 3,581 bilhões. Na máxima, o índice foi aos 108.002,55 pontos, perto do pico intradia histórico de 108.083,26 pontos alcançado na sexta-feira passada.

Da pauta do dia, investidores acompanhavam os desdobramentos dos resultados da eleição argentina, enquanto analisavam nova rodada de corte nas previsões para a taxa básica de juros no Brasil a dois dias das decisões de política monetária aqui e nos Estados Unidos.

Os peronistas voltaram ao poder na Argentina, no domingo, com o candidato Alberto Fernández derrotando o presidente neoliberal Mauricio Macri com uma vantagem confortável, em uma eleição que desloca a terceira maior economia da América Latina para a esquerda depois de sofrer uma profunda crise econômica.

Para a equipe da Levante Investimentos, a notícia deve ter impacto negativo para os mercados emergentes, especialmente o Brasil. Além de poder afetar as empresas brasileiras que investem ou possuem operações no Argentina.

Do lado doméstico, o mercado reduziu ainda mais suas expectativas para a taxa básica de juros em 2020, com o grupo dos que mais acertam as previsões na pesquisa Focus vendo a Selic a 4%, em meio ao ciclo de afrouxamento do Banco Central.

O BC reúne-se na quarta-feira para definir os próximos passos da política monetária, com uma expectativa unânime em pesquisa da Reuters de corte de 0,5 ponto percentual, para nova mínima recorde de 5%. A queda dos juros aumenta a atratividade da renda variável, o que, segundo analistas, explica parte do rali da bolsa paulista neste ano.

O noticiário sobre a guerra comercial entre Estados Unidos e China seguia no radar. O presidente, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que espera assinar uma parte significativa do acordo comercial com a China antes do previsto, mas não deu detalhes sobre o cronograma.

O S&P 500 avançava 0,7% nesta segunda, tendo ultrapassado máxima histórica logo na abertura da sessão.

Wall Street

O índice referencial S&P 500 atingiu uma máxima recorde nesta segunda-feira, com um possível acordo comercial entre os Estados Unidos e a China e as apostas crescentes em um terceiro corte de juros pelo Federal Reserve aumentando o otimismo dos investidores.

Às 11:49 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,65%, a 27.132 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,708673%, a 3.044 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,89%, a 8.317 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *