Dólar registra alta contra moeda brasileira

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 23 de setembro de 2019 as 13:14, por: CdB

Na máxima, a cotação foi a R$ 4,1773 na venda, a apenas 0,44% do recorde de fechamento de R$ 4,1957 na venda alcançado em 13 de setembro de 2018.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar operava em alta contra o real nesta segunda-feira, chegando a ficar a apenas 0,44% da máxima histórica de fechamento, com agentes do mercado à espera de novidades sobre as negociações comerciais entre Estados Unidos e China, em meio a maior cautela no cenário externo após leituras de atividade de negócios sugerirem crescimento estagnado na zona do euro.

Para especialista, o dólar tende a se manter volátil, com o risco de subir para além da marca de R$ 4,20 e de possíveis atuações adicionais do Banco Central

Às 11:39, o dólar avançava 0,42%, a R$ 4,1711 na venda. Na máxima, a cotação foi a R$ 4,1773 na venda, a apenas 0,44% do recorde de fechamento de R$ 4,1957 na venda alcançado em 13 de setembro de 2018.

Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 0,49%, a R$ 4,1715.

– Ainda estamos refém do cenário externo. A redução das expectativas de um acordo entre EUA e China e a divulgação de dados fracos na Europa deixaram o investidor menos propensos a procurar por ativos de risco, já que os temores de uma recessão global voltaram com tudo – afirmou Fernando Bergallo, diretor de operações da Assessoria de câmbio FB Capital.

Um acordo comercial entre EUA e China pareceu ter ficado mais distante na sexta-feira, depois que autoridades chinesas cancelarem inesperadamente uma visita a fazendas de Montana e Nebraska em meio a dois dias de negociações em Washington.

A alta do dólar contra o real era destaque nos mercados globais de câmbio, em sessão marcada por menor volume de negócios para o horário (em comparação à média de cerca de um mês), com a moeda norte-americana também subindo 0,15% contra uma cesta de moedas.

Para Begallo, o dólar tende a se manter volátil, com o risco de subir para além da marca de R$ 4,20 e de possíveis atuações adicionais do Banco Central.

Nesta sessão, o BC vendeu todos os US$ 580 milhões ofertados em moeda física e negociou ainda todos os 11.600 contratos de swap cambial reverso ofertados —nos quais assume posição comprada em dólar. Adicionalmente, a autarquia vendeu também US$ 1,8 bilhões em leilão de rolagem de linha de dólar.

Ibovespa

O tom negativo prevalecia na bolsa paulista nos primeiros negócios desta segunda-feira, tendo de pano de fundo um cenário externo desfavorável, com fraqueza em praças acionárias após dados de atividade na Europa corroborarem o cenário de desaceleração da economia global.

Às 10:08, o Ibovespa caía 0,42 %, a 104.381,33 pontos.

Índices chineses

Os índices acionários da China começaram a semana em tom mais fraco, com incertezas em torno das negociações comerciais sino-americanas diminuindo o apetite pelo risco nesta segunda-feira.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 1,1%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 1,1%.

Os Estados Unidos e a China classificaram as negociações de dois dias da semana passada como “produtivas” e “construtivas”, com o escritório do Representante de Comércio dos EUA dizendo que as negociações de alto nível ocorrerão em outubro, conforme planejado anteriormente.

No entanto, o apetite dos investidores por ativos de risco foi reduzido depois que autoridades chinesas cancelaram inesperadamente uma visita a fazendas em Montana e no Nebraska, nos EUA.

Especialistas em comércio, executivos e autoridades do governo dos dois países disseram que, mesmo que as negociações de setembro e outubro produzam um acordo provisório, a guerra comercial EUA-China se endureceu em uma batalha política e ideológica que é muito mais profunda do que as tarifas e pode levar anos para ser resolvida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *