Dólar volta a subir ante moeda brasileira e chega a R$4

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de agosto de 2019 as 12:47, por: CdB

Às 12:04, o dólar avançava 0,69%, a R$ 4,0312 na venda. A cotação foi a R$ 4,0430 pela manhã.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar passava a subir frente ao real nesta segunda-feira, voltando a superar os R$ 4,07 depois de mais cedo ter caído abaixo dessa linha, com a moeda ganhando força junto com o movimento dos mercados de câmbio no exterior logo após a abertura de Wall Street, tendo um pano de fundo ainda marcado por temores sobre uma desaceleração da economia global.

Às 12:04, o dólar avançava 0,69%, a R$ 4,0312 na venda. Na máxima, a cotação foi a R$ 4,0430.
Às 12:04, o dólar avançava 0,69%, a R$ 4,0312 na venda. Na máxima, a cotação foi a R$ 4,0430.

Às 12:04, o dólar avançava 0,69%, a R$ 4,0312 na venda. Na máxima, a cotação foi a R$ 4,0430.

O dólar futuro de maior liquidez se valorizava 0,64%, para R$ 4,0365.

Na sexta-feira, o dólar à vista subiu 0,34%, a R$ 4,0037 na venda, fechando a semana em alta de 1,57%, a quinta consecutiva de ganhos.

– Estamos passando por um momento de ajuste técnico. O mercado está um pouco sem rumo, e isso tende a resultar em volatilidade diante dos sinais mistos vindo do exterior – afirmou Fernando Bergallo, diretor de operações da assessoria de câmbio FB Capital.

Mais cedo, o dólar chegou a cair a uma mínima de 3,9916 reais (-0,30%), com os mercados avaliando notícia de que o banco central da China apresentou uma importante reforma dos juros no sábado para ajudar a reduzir os custos de empréstimo para empresas e sustentar a economia, que vem sendo afetada pela guerra comercial com os EUA.

Mas a melhora inicial sucumbiu diante de persistentes temores de uma desaceleração da economia global e preocupações sobre os impactos da guerra tarifária entre Estados Unidos e China, afirmou Bergallo.

O movimento da moeda brasileira seguia o viés observado em outras divisas emergentes, como a lira turca e o rand sul-africano, que também perderam fôlego na sequência do início do pregão nos mercados de ações dos EUA.

– O fluxo está sendo pautado inteiramente pelo exterior. A cena doméstica está relativamente positiva, mas não há liquidez para que isso se transforme em fluxo para cá – acrescentou Bergallo.

O Banco Central vendeu todos os 11 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados nesta segunda-feira em leilão de rolagem do vencimento outubro.

A partir da próxima quarta até dia 29 de agosto, o BC fará ofertas simultâneas de 550 milhões de dólares à vista e de igual montante em contratos de swap cambial reverso.

Ibovespa

A bolsa paulista começava a segunda-feira com o Ibovespa em alta e buscando se sustentar acima dos 100 mil pontos, acompanhando o viés mais positivo em praças acionárias no exterior em meio a perspectivas de estímulos econômicos na China e Alemanha.

Às 10:04, o Ibovespa .BVSP subia 0,4%, a 100.201,48 pontos

Wall Street

Os principais índices acionários dos Estados Unidos subiam nesta segunda-feira com a expectativa de que as principais economias irão atuar para conter os efeitos econômicos das crescentes tensões comerciais globais, enquanto as ações de tecnologia subiam lideradas por um ganho de quase 3% nas ações da Apple.

Às 11:47 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,91%, a 26.122 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 1,056884%, a 2.919 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 1,21%, a 7.992 pontos.

 

Atualizado às 15h34

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *