Dom Pedro Casaldáliga deve ser transferido para São Paulo

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 4 de agosto de 2020 as 12:30, por: CdB

O bispo está internado desde a última semana em um Hospital de São Félix do Araguaia, devido a um quadro de insuficiência respiratória. Aos 92 anos de idade, Casaldáliga também sofre do Mal de Parkinson.

Por Redação, com BdF – de São Félix do Araguaia, MT

Expoente na luta contra o governo militar brasileiro e na defesa dos direitos humanos, Dom Pedro Casaldáliga, Bispo emérito da Prelazia de São Félix, apresenta quadro estável, informou a Prelazia de São Félix do Araguaia por meio de nota.

Dom Pedro Casaldáliga é referência na luta pelos direitos humanos no Araguaia (MT) e poeta
Dom Pedro Casaldáliga é referência na luta pelos direitos humanos no Araguaia (MT) e poeta

O bispo está internado desde a última semana em um Hospital de São Félix do Araguaia, devido a um quadro de insuficiência respiratória. Aos 92 anos de idade, Casaldáliga também sofre do Mal de Parkinson.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Paulo Maldos, amigo de Dom Pedro, afirma que a possibilidade de transferência do bispo por meio de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea para Santa Casa de Batatais, em São Paulo, está sendo estudada.

– Ele está no Hospital de São Félix, com quadro estável, com a questão da idade e do Parkinson. Mas o quadro é estável. É frágil mas não é de uma fragilidade tão extrema. A questão, inclusive, de levá-lo para São Paulo, está colocada – afirma.

Maldos está em contato direto com os Claretianos, congregação a qual Casaldáliga pertence e que está  responsável pelo cuidado do religioso. Ainda segundo ele, as sequelas de uma tuberculose desenvolvida no passado, somadas à idade, tornam o quadro preocupante. Mas há uma equipe médica constante monitorando o religioso, que conta com o suporte necessário para ser tratado neste momento.

Diversos veículos da imprensa brasileira noticiaram erroneamente que Dom Pedro Casaldáliga teria falecido nesta terça-feira.

– Ele está sendo muito cuidado. Tem uma equipe de padres que se revezam. É muito importante falar para as pessoas se referenciarem na fonte primária. De quem está ali do lado dele. Essa história [da morte] está se espalhando como um vírus. Já atingiu a Europa, meios de comunicação na Espanha – critica.

– Os cuidadores pediram: por favor, esperem a nossa palavra. A nossa avaliação, nosso relato. Nos escutem – ressalta.

Trajetória

Nascido em uma aldeia há quilômetros de Barcelona, na Espanha, em 1928, Dom Pedro Casaldáliga Plá é de família camponesa. Desembarcou no Brasil em 1968, em plena ditadura militar, e foi consagrado bispo em 1971, quando lançou a Carta Pastoral por Uma Igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social. O texto ficou conhecido nacional e internacionalmente e marcou o perfil do missionário como porta-voz de índios e agricultores.

O bispo também é um dos fundadores do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e da Comissão Pastoral da Terra (CPT), que até hoje atua na defesa de indígenas, comunidades tradicionais e trabalhadores do campo.

Além de sua atuação junto aos pobres e em defesa da democracia, Casaldáliga também se destaca por suas poesias que abordam a urgência da reforma agrária e da luta contra o agronegócio. Confira:

“Por onde passei, plantei a cerca farpada, plantei a queimada.

Por onde passei, plantei a morte matada. Por onde passei, matei a tribo calada,

A roça suada, a terra esperada… Por onde passei, tendo tudo em lei, eu plantei o nada.”

Confissão do Latifúndio