Dona de matilha nega maus-tratos

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 3 de novembro de 2004 as 04:43, por: CdB

A radialista Mônica Sampaio, de 43 anos, filha da aposentada Maria da Glória Gaspar, negou que os cães que mataram sua mãe fossem maltratados, como afirmaram vizinhos. Segundo Mônica, que mostrou cópias de certificados de vacinação, os cães eram alimentados duas vezes por dia e consumiam 180 quilos de ração por mês. 

– Gostamos de animais. O que aconteceu foi uma fatalidade. Ela pode ter pisado no rabo de um deles ou esbarrado na fêmea que teve filhotes. Eles são dóceis e conviviam com meu filho de 8 anos e com meu neto de 2- disse ela após o sepultamento de Maria da Glória, no Cemitério São João Batista.

Mônica participa de grupos de discussão na internet sobre posse responsável dos animais e já assinou manifestos da Suipa criticando maus-tratos de bichos. Pela internet, ela distribuiu em 16 de agosto uma mensagem oferecendo os nove filhotes a doação por não ter espaço.

Os cães foram levados para o Instituto Municipal de Medicina Veterinária na Mangueira, onde vão ficar dez dias em observação. A Suipa poderá adotá-los.

Vizinhos de Maria da Glória divergem sobre o tratamento dado aos cães. Enquanto alguns denunciam maus-tratos, outros asseguram que eles eram bem cuidados. Além de Mônica, o síndico do prédio, Carlos Matos, e outros dois vizinhos serão ouvidos esta semana na 9 DP (Catete).