Donald Trump sugere adiar eleição presidencial dos EUA

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 30 de julho de 2020 as 11:05, por: CdB

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, levantou nesta quinta-feira a possibilidade de adiar a eleição presidencial marcada para novembro, apesar de a data estar escrita na Constituição do país.

Por Redação, com Reuters – de Washington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, levantou nesta quinta-feira a possibilidade de adiar a eleição presidencial marcada para novembro, apesar de a data estar escrita na Constituição do país.

Presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
Presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca

Trump, sem apresentar provas, repetiu suas alegações de que há fraude na votação pelo correio e levantou a questão de um adiamento, escrevendo em sua conta no Twitter: “adiar a eleição até que as pessoas possam votar apropriadamente e com segurança???”

Representantes da Casa Branca não responderam de imediato a pedidos por comentários.

Dúvidas sobre a legitimidade da votação

Trump levantou dúvidas sobre a legitimidade da votação pelo correio, que foi usada amplamente em eleições primárias em meio à pandemia de coronavírus. Ele também fez alegações sem substância de que a votação será fraudada e se recusou a dizer se aceitará o resultado oficial da eleição caso seja derrotado.

Democratas, incluindo o candidato presidencial do partido Joe Biden, já iniciaram preparativos para proteger os eleitores e a eleição em meio a temores de que Trump tentará interferir no pleito marcado para 3 de novembro.

Regime habitacional da era Obama

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quarta-feira que seu governo está revogando uma regulamentação destinada a combater práticas habitacionais discriminatórias e segregação, na tentativa mais recente de aumentar seu apoio nos subúrbios enquanto busca a reeleição.

A regra foi estabelecida sob o governo do presidente democrata Barack Obama em 2015. Exige que as comunidades que recebem doações e auxílio habitacional avaliem a segregação racial na habitação e apresentem planos para corrigi-la.

– Fico feliz em informar a todas as pessoas que vivem seu Sonho de Estilo de Vida Suburbano que vocês não serão mais incomodados ou financeiramente prejudicados por ter moradias de baixa renda construídas em seu bairro… Os preços de suas moradias subirão com base no mercado, e o crime vai diminuir. Vou rescindir a regra AFFH de Obama-Biden. Aproveitem! – escreveu Trump em uma série de tuítes.

O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA disse na semana passada que acabaria com a regra, chamando-a de “impraticável e uma perda de tempo para as localidades cumprirem”.

Os críticos reclamaram da decisão.

– O presidente Trump está trabalhando ativamente para remover as leis imobiliárias justas e legalizar a discriminação habitacional – escreveu o senador democrata norte-americano Chuck Schumer no Twitter. “Vamos lutar contra isso.”

A Califórnia informou na semana passada que continuaria exigindo que as agências locais garantissem afirmativamente a promoção da habitação justa.

A medida de Trump ocorre no momento que o apoio ao presidente enfraquece nos subúrbios, que tiveram um papel fundamental na vitória eleitoral do republicano em 2016, mas desde então a relação azedou.

– Sejamos claros: o presidente está usando o racismo para dizer que está feliz em desmantelar os direitos civis em busca de uma vantagem política – escreveu no Twitter a senadora democrata norte-americana Elizabeth Warren.