Donald Trump afirma que crise na fronteira com o México é ‘pior que o Afeganistão’

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019 as 14:46, por: CdB

O governante norte-americano afirmou que está “esperando até 15 de fevereiro”, data na qual se esgotariam de novo os fundos para o governo federal, para decidir se declara uma “emergência nacional”, algo que poderia permitir-lhe usar fundos de outras verbas para a construção do muro.

Por Redação, com EFE – de Washington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na quinta-feira que a crise humanitária na fronteira com o México é “pior ainda que o Afeganistão”, e disse que esperará até meados de fevereiro para decidir se usa seu poder executivo para financiar a construção do muro na zona limítrofe.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na quinta-feira que a crise humanitária na fronteira com o México é “pior ainda que o Afeganistão”

– Muito tristemente, os casos de zssassinatos no México subiram 33% em 2018 a respeito de 2017, até 33.341. Isto é um grande fator na crise humanitária que se desenvolve na nossa fronteira sul e que está se expandindo pelo nosso país. Pior ainda que o Afeganistão – escreveu Trump na sua conta do Twitter.

– Muito disso é causado pelas drogas. Estamos construindo o muro! – acrescentou.

O número de assassinatos em território mexicano em 2018 citado por Trump corresponde com o apresentado na semana passada pela Secretaria de Segurança e Proteção Cidadã (SSPC) do México.

No entanto, segundo a SSPC, o aumento de homicídios entre 2017 e 2018 foi de 15,5%, e não de 33%, como afirmou o governante norte-americano.

Em declarações a jornalistas na Casa Branca, Trump se mostrou bastante pessimista a respeito das perspectivas de que o grupo de 17 congressistas que negocia um pacote legislativo sobre imigração e segurança fronteiriça possa chegar a um acordo antes que expirem as três semanas que têm de prazo.

– Não acredito que possam chegar a um acordo. Se não me dão dinheiro para o muro, não vai funcionar – assegurou Trump.

O governante norte-americano afirmou que está “esperando até 15 de fevereiro”, data na qual se esgotariam de novo os fundos para o governo federal, para decidir se declara uma “emergência nacional”, algo que poderia permitir-lhe usar fundos de outras verbas para a construção do muro.

Trump opinou que a paralisia parcial de seu governo durante mais de um mês, que terminou na semana passada e esteve motivada pelas suas diferenças com a oposição democrata com relação à necessidade de financiar o projeto de muro na fronteira, serviu para algo.

– Se não tivesse acontecido a paralisação do governo, o povo não saberia, não entenderia o assunto. Agora sabe. As pessoas se deram conta da crise humanitária que existe – comentou.

– Se você for a Tijuana e derrubar esse muro – disse Trump, em referência à barreira instalada em parte desse trecho da fronteira – terá tanta gente entrando no nosso país que (a presidente da Câmara de Representantes, a democrata) Nancy Pelosi estará suplicando para que haja um muro”.

Tratado

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira que seu governo começará a desenvolver “opções de resposta militar” e trabalhará com a Otan para adaptar-se à nova situação criada após a suspensão de sua participação no tratado nuclear INF com a Rússia.

– Desenvolveremos nossas próprias opções de resposta militar e trabalharemos com a Otan e nossos aliados e sócios para impedir que a Rússia tenha qualquer vantagem militar derivada de sua conduta ilegal – disse Trump em comunicado pouco depois que seu governo anunciou a retirada dos EUA do tratado de 1987 a partir deste sábado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *