Donald Trump critica empresas de redes sociais por ‘silenciar milhões de pessoas’

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de agosto de 2018 as 10:22, por: CdB

Na terça-feira, Facebook, Twitter e Alphabet, empresa controladora do Google, removeram centenas de contas ligadas a uma suposta operação de propaganda iraniana

Por Redação, com Reuters – de Washington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou nesta sexta-feira as companhias de redes sociais por silenciarem “milhões de pessoas”, no que descreveu como um ato de censura.

Trump não identificou nenhuma das empresas.

Presidente dos EUA, Donaldo Trump, durante audiência na Casa Branca, em Washington

Entretanto, na terça-feira, Facebook, Twitter e Alphabet, empresa controladora do Google, removeram centenas de contas ligadas a uma suposta operação de propaganda iraniana, enquanto o Facebook também derrubou uma segunda campanha que disse ter relação com a Rússia.

– Gigantes das redes sociais estão silenciando milhões de pessoas. Não podemos fazer isso, mesmo que signifique continuar a ouvir notícias falsas, como a CNN, cujos índices têm sofrido gravemente. As pessoas tem que descobrir o que é real e o que não é, sem censura – escreveu Trump em publicação no Twitter.

Irã

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que as contas identificadas na plataforma de sua empresa fazem parte de duas campanhas distintas, a primeira do Irã, com alguns laços com a mídia estatal, e a segunda ligada a fontes que Washington identificou anteriormente como dos serviços de inteligência militar russa.

Autoridades no Irã, onde é feriado para celebrar o festival muçulmano Eid al-Adha, não estavam imediatamente disponíveis para comentar. Moscou nega repetidamente o uso de hackers ou contas falsas nas redes sociais para influenciar as eleições estrangeiras. A embaixada russa em Washington não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

O movimento do Facebook e outros é a mais recente tentativa das gigantes globais de mídia social para se protegerem contra a interferência política em suas plataformas. As medidas foram tomadas em meio a preocupações com as tentativas estrangeiras de perturbar as eleições dos EUA em novembro.

Os Estados Unidos acusaram 13 russos no início do ano por supostas tentativas de interferir na política dos EUA, mas a mais recente atividade iraniana, denunciada pela empresa de segurança cibernética FireEye, sugere que o problema pode estar mais difundido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *