Donald Trump diz que não é racista

Arquivado em: África, América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 as 12:01, por: CdB

Após denúncia de que chamou Haiti e africanos de “países de merda” causar indignação mundial, presidente americano se defende e nega ter sido ofensivo em reunião com senadores

Por Redação, com DW – de Washington:

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, negou veementemente que seja racista, após relatos de que usou o termo “países de merda” (shithole countries) para se referir a Haiti, El Salvador e a nações africanas.

“Sou a pessoa menos racista que vocês já entrevistaram”, disse Trump a repórteres

– Não, não. Não sou um racista – afirmou Trump a repórteres. “Sou a pessoa menos racista que vocês já entrevistaram.”

O presidente americano já havia desmentido na sexta-feira a denúncia do jornal The Washington Post, segundo o qual Trump usou o termo numa reunião sobre política migratória com seis senadores.

Os relatos sobre as declarações de Trump provocaram indignação mundial. Embaixadores de 54 países africanos na ONU exigiram que o presidente americano pedisse desculpas pelos comentários “racistas”.

– Por que temos todas essas pessoas de países de merda (shithole countries) vindo para cá? – teria dito Trump em reunião com congressistas na Casa Branca, segundo jornais americanos. Ele teria afirmado preferir imigrantes de países como a Noruega.

Trump escreveu no Twitter que a linguagem que usou na reunião sobre o programa Ação Diferida para os Chegados na Infância (Daca), destinado a jovens indocumentados, foi dura, mas que não usou termos ofensivos.

Neste domingo, ele voltou a negar ter feito as declarações atribuídas a ele, mas evitou entrar em detalhes em relação ao que disse ou não.

Relatos conflitantes

Único democrata presente na reunião, o democrata Dick Durbin confirmou as declarações de Trump. Segundo o legislador, o presidente usou o termo vulgar mais de uma vez.

Os senadores republicanos David Perdue e Tom Cotton, que também participaram da reunião sobre o Daca, inicialmente disseram não se lembrar dos comentários específicos de Trump. No domingo, no entanto, eles voltaram atrás e contestaram as descrições feitas por outros senadores.

Perdue descreveu como uma “flagrante deturpação” os relatos de que Trump usou o termo ofensivo. Ele afirmou que tanto Durbin quanto a senadora republicana Lindsey Graham, que também participou da reunião, estavam enganados quanto às declarações do presidente.

– Estou lhes dizendo que ele não usou essa palavra – declarou Perdue. Cotton, por sua vez, disse não ter ouvido a palavra shithole. “E eu estava sentado tão perto de Donald Trump quanto Dick Durbin”, afirmou.

“Invenção dos democratas”

Trump insistiu num tweet publicado na última sexta-feira que “nunca disse nada depreciativo” sobre os haitianos a não ser que o Haiti; obviamente é um país muito pobre e com problemas. “Eu nunca disse ‘levem-nos daqui’ Invenção dos democratas”, escreveu.

Trump já se defendeu de acusações de racismo uma série de vezes; inclusive após insistir que o seu predecessor, Barack Obama, não era nascido nos EUA e depois de abrir sua campanha eleitoral em 2015 descrevendo os mexicanos como estupradores e traficantes de drogas.

Os relatos sobre as declarações de Trump ameaçam as delicadas negociações em busca de uma solução para o status de centenas de milhares de imigrantes que foram trazidos para o país ilegalmente quando crianças. Trump anunciou no ano passado que encerrará o Daca, promulgado por Obama, até março; a não ser que legisladores encontrem uma solução.

O programa protegia esses jovens imigrantes, conhecidos como “dreamers” (“sonhadores”); da deportação e lhes concedia permissão para trabalhar nos EUA. “O Daca provavelmente está morto, porque os democratas não o querem realmente”, escreveu Trump no Twitter no domingo.