Donald Trump diz permitir cooperação de assessor com Mueller

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 19 de agosto de 2018 as 11:37, por: CdB

Presidente dos EUA afirma ter autorizado que conselheiro jurídico da Casa Branca colabore com o procurador especial que investiga suposta interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas

Por Redação, com DW – de Washington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no sábado que autorizou o assessor jurídico da Casa Branca Donald McGahn a cooperar plenamente com o procurador especial Robert Mueller, que investiga suposta interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas.

Presidente dos EUA, Donald Trump

– Permiti que o conselheiro da Casa Branca senhor McGahn e outros membros da equipe da Casa Branca solicitados cooperem amplamente com o procurador especial. Além disso, entregamos prontamente cerca de um milhão de páginas de documentos – disse Trump através do Twitter, acrescentando: “Mais transparente na história. Sem conluio, sem obstrução. Caça às bruxas!”

O jornal The New York Times informou que McGahn tem cooperado com a investigação de Mueller. Segundo a reportagem, durante os últimos nove meses McGahn foi entrevistado, voluntariamente, pelo menos em três ocasiões, pelos investigadores, primeira vez foi em novembro passado, por um total de 30 horas.

Nesses interrogatórios o conselheiro da Casa Branca falou, conforme a publicação, entre outras coisas, sobre supostas tentativas de obstrução das investigações pelo presidente norte-americano, a irritação de Trump por causa das investigações e sobre como instruiu Trump sobre o que ele deveria responder aos investigadores.

McGahn teria oferecido detalhes sobre os comentários de Trump durante a demissão de James B. Comey como diretor do FBI, em maio de 2017, sobre a obsessão do chefe de governo de ter à frente da investigação alguém leal a ele. O assessor também teria falado a respeito do desejo de seu chefe de que o procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, comandasse as investigações sobre suposta ingerência russa nas eleições.

O NYT destaca que este tipo de colaboração não é comum, mas lembra que começou como resultado da decisão da equipe jurídica de Trump de cooperar totalmente com Mueller.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *