Doria faz críticas a ministro da Saúde e diz que SP terá novas restrições

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 17 de março de 2021 as 13:39, por: CdB

De acordo com o governador, os detalhes das novas regras de restrição serão anunciados durante a tarde em coletiva de imprensa após deliberação do Centro de Contingência para covid-19, que é formado por grupo de médicos e cientistas que colaboram na orientação do governo de São Paulo.

Por Redação, com Sputnik – de Brasília

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), declarou nesta quarta-feira que a fase emergencial, adotada no Estado na segunda-feira, terá novas medidas restritivas.

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB)

De acordo com o governador, os detalhes das novas regras de restrição serão anunciados durante a tarde em coletiva de imprensa após deliberação do Centro de Contingência para covid-19, que é formado por grupo de médicos e cientistas que colaboram na orientação do governo de São Paulo.

– Na coletiva anunciaremos quais serão as medidas adicionais que certamente terão de ser adotadas. Nós estamos diante de um quadro gravíssimo, dramático, não apenas em São Paulo, mas em todo o Brasil. SP, com a orientação do Centro de Contingência de covid-19 adotará novas medidas a partir desta decisão. Vamos aguardar o que o centro de contingencia e os cientistas definirão – afirmou.

O governador de São Paulo, que esteve no Instituto Butantan para acompanhar o envio de 2 milhões de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde, aproveitou para fazer críticas ao novo ministro da pasta, Marcelo Queiroga.

Presidente da República não é médico

– Acho que o ministro começou mal. Ministro da Saúde, que como cardiologista, assume o Ministério da Saúde e diz que quem manda é o presidente da República, que não é médico, já é um mal início, um mal presságio. De mais alguém que prefere fazer vassalagem ao presidente da República ao invés de atender o que a medicina, aquilo que ele aprendeu na escola, na universidade, e na prática como cardiologista – disse o governador.

Na terça-feira, foram registradas 679 mortes por covid-19 no Estado de São Paulo, alcançando um recorde de óbitos em 24 horas desde o início da pandemia. No total, são 64.902 mortes pelo coronavírus no Estado.