Dualib ainda acredita na parceria com iraniano

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 8 de novembro de 2004 as 11:26, por: CdB

Apesar dos contratempos e da resistência de alguns dirigentes, o presidente do Corinthians, Alberto Dualib, ainda está acreditando na formalização da parceria com o Grupo MSI (Media Sport Investment), presidido pelo iraniano Kia Joorabchian.

Dualib disse que considera que o contrato foi praticamente provado pelos conselheiros na reunião da última sexta-feira, apesar das mudanças feitas pela comissão especial criada pelo Cori (Conselho de Orientação).

 – O contrato foi aprovado com pequenas alterações. Acredito que a parceria vai sair – adirmou o cartola. 

Os opositores ao acordo cantaram vitória após a reunião de sexta-feira porque dizem estar seguros de que o MSI não irá aceitar duas cláusulas: a que prevê uma parceria do tipo licenciamento e a que pede a utilização do procedimento “know your client” (conheça o seu cliente), que garante a transparência na origem do dinheiro e da identidade dos investidores do MSI.

Dualib negou que a decisão dos conselheiros represente um enfraquecimento político do seu grupo e disse que a forma como a questão foi discutida prova que ele não é um “ditador”.

-Isso aconteceu porque o Corinthians é um clube democrático – disse. 

Embora não admita publicamente, Dualib está em rota de colisão com o vice-presidente Antonio Roque Citadini, principal articulador da oposição à parceria, e pode ocorrer até um rompimento entre os dois nos próximos dias. Citadini, porém, não pode ser afastado da diretoria corintiana por ter um cargo eletivo. 

O empresário Renato Duprat, intermediário da negociação entre o Grupo MSI (Media Sport Investment) e o Corinthians, afirmou neste domingo à Folha de São Paulo, que a empresa presidida pelo iraniano Kia Joorabchian não desistiu do acordo de parceria com o Corinthians e que irá fazer novas exigências para se associar ao clube. A principal será a garantia de que US$ 20 milhões do investimento inicial serão realmente usados para quitar as dívidas do clube.