Eleição de Evo Morales foi legítima, atestam auditores independentes

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020 as 12:39, por: CdB

No relatório, analistas afirmam que, de acordo com análises estatísticas, “era previsível que Evo Morales obteria uma vitória no primeiro turno, com base nos resultados da TREP (Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares)”.

Por Redação, com Opera Mundi – de La Paz

O jornal norte-americano Washington Post publicou uma análise na quinta-feira que aponta que as eleições de outubro de 2019 na Bolívia, que indicavam a reeleição do hoje ex-presidente Evo Morales, foram legítimas, sem indicativos de fraude. A conclusão é a mesma de um estudo publicado em novembro pelo Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR).

Ex-presidente da Bolívia Evo Morales
Ex-presidente da Bolívia Evo Morales

A Organização dos Estados Americanos (OEA), convidada pelo governo boliviano para analisar o pleito, havia afirmado, à época, que teria havido fraude e recomendado a realização de um segundo turno. No entanto, um golpe de Estado derrubou Morales da presidência e instaurou um governo com características autoritárias no país.

“Não parece haver diferença estatisticamente significativa na margem antes e depois da interrupção da votação preliminar. Em vez disso, é altamente provável que Morales tenha ultrapassado a margem de 10 pontos percentuais no primeiro turno”, afirma a análise publicada no Post.

O texto dos pesquisadores John Curiel e Jack R. Williams, vinculados ao MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), aponta que a OEA não embasa a argumentação da fraude em estudos prévios e não traz evidências significativas que suportem a tese.

O estudos apontam ainda que foram feitas mil simulações a partir dos resultados que foram divulgados previamente pelo Tribunal Supremo Eleitoral da Bolívia e que Morales teria, pelo menos, 10,49 pontos percentuais de vantagem sobre o opositor Carlos Mesa. Dessa maneira, venceria em primeiro turno.

“Não há evidências estatísticas de fraude que possamos encontrar, as tendências na contagem preliminar, a falta de um grande salto no apoio a Morales após a interrupção e o tamanho da margem de Morales parecem legítimos. Em suma, a análise estatística e as conclusões da OEA parecem profundamente falhas”, aponta o texto.

Com base nos resultados, os pesquisadores e outros investigadores pediram um posicionamento à OEA, que não se pronunciou.

Análise do CEPR

Ainda em novembro, pouco depois do golpe que depôs Morales, uma análise estatística divulgada pelo Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR), com sede nos Estados Unidos, já mostrava que havia não evidências de fraude nas eleições do dia 20 de outubro.

No relatório, analistas afirmam que, de acordo com análises estatísticas, “era previsível que Evo Morales obteria uma vitória no primeiro turno, com base nos resultados da TREP (Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares)”.

– No final, a contagem oficial, juridicamente vinculativa e completamente transparente, com as fichas de registro disponíveis online, coincidiu com os resultados da contagem rápida – disse, no estudo, Guilherme Long, analista do CEPR.

O CEPR diz que, em mais de 500 simulações, Morales aparecia vencendo no primeiro turno. O documento estudou em detalhes o que aconteceu na contagem dos votos, que dava vitória ao ex-presidente com 83,85% na contagem rápida.

Assim como no estudo publicado pelo Post, o artigo do CEPR aponta que há questões geográficas e históricas na votação, o que dava vantagem a Morales.

Com o golpe de Estado, a então vice-presidente Jeanine Áñez se autoproclamou presidente do país. Novas eleições foram marcadas para maio, e Morales tenta se candidatar ao Senado – apesar da negativa do Tribunal Supremo Eleitoral para tanto.