Eleições no Haiti são adiadas após acordo entre governo e oposição

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 13 de setembro de 2021 as 13:06, por: CdB

 

As eleições gerais, previstas para novembro deste ano, foram adiadas para final de 2022. Até essa data, as partes acordaram manter um “governo de unidade nacional”, formado por um Conselho de Ministros, liderado pelo atual premiê.

Por Redação, com Brasil de Fato  – de Porto Príncipe

O Haiti chegou a um acordo entre governo e vários partidos de oposição para adiar as eleições e manter o governo interino de Ariel Henry até 2023. O pacto assinado no último fim de semana também inclui a elaboração de uma nova constituição através de uma assembleia constituinte.

Com novo acordo político, o atual Primeiro Ministro Ariel Henry deverá permanecer no poder até 2023

As eleições gerais, previstas para novembro deste ano, foram adiadas para final de 2022. Até essa data, as partes acordaram manter um “governo de unidade nacional”, formado por um Conselho de Ministros, liderado pelo atual premiê.

– Tenho a certeza de que este Acordo permitirá conduzir, em harmonia e bom entendimento, os assuntos de Estado durante o período provisório que desejo que seja o mais curto possível, a fim de alcançar o nosso principal objetivo comum que é um retorno ao funcionamento normal de nossas instituições democráticas – declarou o chefe de governo.

Henry ressaltou que o acordo inclui quase todas as reivindicações de distintos setores da vida política do país, incluindo criar novos organismos públicos, levar adiante as investigações sobre casos de desvio de dinheiro do programa Petrocaribe, que prevê o fornecimento de petróleo venezuelano a preços e condições favoráveis às nações caribenhas. Também se comprometem a liberar presos políticos e criar planos contra os grupos armados que controlam  as principais cidades do país.

– O Setor Democrático e Popular tomou a decisão de assinar esse acordo para poder organizar uma governabilidade consensuada durante o período interino – afirmou o líder opositor do Setor Democrático e Popular (SDP) e diretor da Ordem de Advogados do Haiti, André Michel.

Da mesma forma, o líder do partido “Fusão”, Rosemond Pradel, defendeu que o “acordo político é um rumo a um projeto nacional para o país. Estamos lançando as pedras fundamentais para a reconstrução do Haiti”.

As eleições gerais estavam previstas para acontecer no dia 7 de novembro com possível segundo turno em janeiro de 2022. Na última quinta-feira, o Conselho Eleitoral Provisional já havia apresentado uma lista com 108 candidaturas.

O novo pacto também substitui a proposta de referendo constitucional herdada da gestão de Jovenel Moïse para o compromisso de convocatória de uma assembleia constituinte.

Um país fraturado

O Haiti atravessa uma crise desde julho, quando ocorreu o assassinato do presidente Jovenel Moïse, seguido de um terremoto de magnitude 7,2 na escala Richter, que assolou o país em agosto.

De acordo com o serviço de Proteção Civil, o terremoto causou 2.248 mortes, 12.763 feridos, enquanto 329 pessoas permanecem desaparecidas, afetando cerca de 40% da população do sul do país. As equipes de resgate anunciaram na última semana de agosto que iriam interromper as buscas para iniciar a reconstrução. Mais de 53 mil casas foram destruídas e 25 mil pessoas permanecem em abrigos temporários.

No caso do assassinato de Moïse, ao menos 20 pessoas foram presas, incluindo 18 paramilitares colombianos contratados por uma empresa de segurança privada com sede nos Estados Unidos. As autoridades também investigam supostos vínculos do atual primeiro-ministro com o assassinato.

– As ações para criar confusão e impedir que se faça justiça não podem ocorrer. Os verdadeiros culpados, autores intelectuais e responsáveis pelo assassinato do presidente Jovenel Moïse, serão julgados e punidos pelos seus atos – assegurou Henry.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code